Educação a distância: o futuro é agora

Educação a distância: a modalidade de ensino que cresce no país, quebra preconceitos e ganha novos adeptos a cada ano. Saiba mais!

None
Foto: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 04/08/2016 às 11:46
Atualizado às 14:41

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Quem esteve na escola, seja durante o ensino fundamental, médio ou superior, provavelmente já viveu uma batalha contra o tempo, o cansaço e o sono, muito comum em aulas presenciais, especialmente quando o aluno concilia estudos com trabalho. Neste momento, poder estudar no conforto do lar era um sonho. A boa notícia é que, nos dias de hoje, este sonho pode se realizar. Com a evolução tecnológica surgiu uma ‘fada-madrinha’ que tornou isso viável: a internet. No Brasil, por lei, desde 1996 é possível utilizar o computador e a web para cursar supletivos, graduação, pós-graduação, tecnológicos ou cursos livres. Contudo, foi a partir de 2005, que o Ministério da Educação (MEC) passou a regulamentar e autorizar as instituições para atuarem na área. De lá para cá a educação a distância (EaD) vem se tornando uma realidade cada vez mais próxima dos brasileiros.

mulher, jovem, tablet, touchpad, designer, computador, caneta

Foto: Shutterstock Images

Preconceito

Segundo dados do Censo 2013 realizado pela Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed), existem mais de 300
instituições trabalhando com a modalidade de ensino não presencial no Brasil. Juntas, elas contabilizam mais de 15 mil cursos a distância e 4 milhões de matrículas nos diferentes tipos de cursos oferecidos. É verdade que essa trajetória não foi simples. O preconceito, a falta de entendimento de potenciais alunos, professores e escolas e o acesso às tecnologias que viabilizam o estudo foram algumas das barreiras enfrentadas e superadas. “No passado, a educação a distância era vista como uma educação de segunda categoria, para quem não podia estudar presencialmente. Hoje, com o acesso à internet e às redes sociais, com a conectividade existente, com o acesso cada vez maior à informação e a possibilidade de comunicação entre as pessoas, há uma valorização maior dessas experiências conseguidas graças às tecnologias da informação e comunicação”, explica Ivete Palange, conselheira da Abed.
LEIA MAIS
Dicas para não errar na hora de escolher um curso a distância

Benefícios

Mais do que conforto, a educação a distância (EaD) traz diferentes benefícios ao aluno que a ela recorre. A quebra de barreiras
geográficas é um deles. Antes, quem decidia participar de um determinado curso tinha de verificar se ele era oferecido pelas
instituições próximas de onde mora ou, ainda, se o deslocamento periódico seria viável. Hoje, com a EaD, é possível cursar disciplinas em qualquer parte mundo, prova são as instituições internacionais que oferecem variada gama de cursos abertos a distância. Outro benefício é a flexibilidade de horário, que permite ao aluno se dedicar ao curso nos momentos do dia em que está mais disponível para isso, uma vez que a EaD é caracterizada por não ser necessário que alunos e professores estejam presentes no mesmo local e horário para transmissão do conteúdo. “Além disso, a necessidade de aperfeiçoamento e atualização
constantes em um mundo que tem essa exigência pode ser atendida mais facilmente por programas de educação a distância”,
completa Ivete Palange, conselheira da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed).
Entrevista: Wanessa Ferrari

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.