Saiba como agir e denunciar casos de assédio em aplicativos de carona

Enviar localização, mandar foto da placa do veículo e sentar-se atrás do motorista são algumas atitudes que podem ajudar

assédio em uber
Foto: Pinterest

Desde a popularização dos aplicativos de carona no Brasil, notícias sobre assédio em Uber, 99 Táxi e Cabify vêm se tornando mais comuns no cotidiano. Não é de hoje que mulheres são destratadas e se sentem invadidas por atitudes e comentários machistas.

O pior é que há sempre uma desculpa para o comportamento do abusador. Isto quando não simplesmente jogam a culpa na vítima por simplesmente existir e estar praticando o seu direito de ir e vir. De “qual a roupa que você estava vestindo?” a “tem certeza que você não o provocou?“, são inúmeras as perguntas feitas para pessoas que foram abusadas para tentar justificar o injustificável.

“Me senti vulnerável, incapaz”

No último de domingo (16), por exemplo, uma adolescente de 17 anos sofreu assédio em Uber na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. O motorista não percebeu que estava sendo gravado e teve sua “conversa” com a passageira exposta nas redes sociais.

Ele começou a fazer elogios. Dizendo que eu era a passageira mais bonita que ele tinha pego, que geralmente só entrava gente feia. Fiquei com medo de ser grossa com ele e ele acelerar o carro e fazer algo pior“, declarou a jovem.

Ela, então, enfatizou ao motorista que é menor de idade. Mas, a afirmação não foi suficiente para que ele parasse. “Seria problema se tivesse 13 anos, e acho que tu não tem 13 anos, 14 para cima tu já é responsável”, disse o assediador. A menina então volta a recuar e o lembra (sempre com muito receio) que ele poderia ter idade para ser seu pai. Mais uma vez, o homem não vê problema nenhum e continua: “eu faria coisas que seu pai não faria”.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil. Nesta terça (18), em entrevista ao G1, o motorista deu a entender que a garota teria sido responsável pelo ocorrido. “Ela estava com um short do ‘tipo Anitta’, uma miniblusa, com as pernas abertas no banco, me chamando atenção.

Após a repercussão do assério, a própria cantora publicou em seu Twitter uma nota, mostrando sororidade a jovem.

Dicas para se proteger de tentativas de assédio em Uber e outros aplicativos de carona

Aqui não há certo ou errado, afinal em um cenário ideal não existiriam casos de abuso sexual. Porém, é importante que mulheres saibam que existem meios de proceder para impedir que outras passem por situações tão similarmente horríveis e perturbadoras.

Informações básicas

Não esqueça de mandar sua localização e compartilhar a viagem com algum contato quando entrar no carro. Também vale enviar a placa, modelo do veículo, sua cor e nome do motorista.

Ligue

Se sentir que algo está estranho, tente ligar para alguém. Se o seu celular estiver sem bateria, finja discretamente que fala com alguém no telefone.

Mande áudio

Grave uma mensagem de voz, já dentro do carro, falando onde está e para onde vai.

Melhor lugar

Evite ao máximo ir no banco da frente quando estiver sozinha e opte por sentar na poltrona traseiro do lado direito, atrás do motorista. Desta forma ele não consegue te ver.

Grave

Se a situação se agravar, tente filma ou gravar o momento. A gravação pode ser uma importante arma na hora de realizar a denúncia e evitar que o motorista faça o mesmo com outras passageiras.

Código

Combine algum tipo de código com amigos e familiares para caso esteja em situação de perigo. As vezes enviar apenas uma palavra por mensagem ou dizer por ligação pode fazer toda a diferença para a sua segurança.

Acompanhada

Sempre que possível faça viagens acompanhada, principalmente à noite ou de madrugada.

Denuncie

Faça denúncias ou peça ajuda por meio do próprio aplicativo de carona ou específicos. Ligue para o número 180, na Delegacia de Defesa da Mulher.

Leia também: