Asma é uma doença genética e não tem cura, mas pode ser tratada

A asma é uma doença que causa muito desconforto nos pacientes e, apesar de não ter cura, pode ser tratada a fim de amenizar as crises

Apesar de não ter cura, as crises de asma podem ser controladas.
Apesar de não ter cura, as crises de asma podem ser controladas. FOTO iStock.com/Getty Images

“A asma é uma doença inflamatória crônica, caracterizada por hiper-responsividade das vias aéreas inferiores e por limitação variável ao fluxo aéreo, reversível espontaneamente ou com tratamento, manifestando-se clinicamente por episódios recorrentes de sibilância (chiado no tórax), dispneia, aperto no peito e tosse, particularmente à noite e pela manhã, ao despertar. Resulta de uma interação entre genética, exposição ambiental a alérgenos e irritantes, e outros fatores específicos que levam ao desenvolvimento e manutenção dos sintomas”. Essa é a definição para asma da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), entidade que reúne médicos especialistas em doenças respiratórias. Para entender melhor, que tal analisá-la em detalhes?

Uma vez asmático…

…para sempre asmático. Ela é uma doença crônica, ou seja, faz parte do grupo de patologias de longa duração e que, em geral, não podem ser curadas. É uma dura realidade, mas não há motivo para desespero. Assim como tantas outras doenças desse tipo (diabetes e hipertensão, por exemplo), a asma pode ser controlada e os sintomas praticamente eliminados, desde que o portador siga corretamente as recomendações médicas.

“Embora o paciente possa ficar assintomático na vida adulta, a qualquer momento pode voltar a ter os sintomas. Pode melhorar, mas eliminar definitivamente, não acontece. Se for tirado um pedaço do pulmão e realizados exames, certamente aparecerão as características celulares da asma”, atesta a pneumologista Christina Pinho.

 

Consultar um especialista é a forma mais eficaz de amenizar os sintomas da asma.

Consultar um especialista é a forma mais eficaz de amenizar os sintomas da asma. FOTO Shutterstock

 

Alívio real

E como é possível manter a asma sob controle? Primeiramente é preciso determinar a gravidade do problema, o que, obviamente, só pode ser feito por um especialista. Para facilitar essa classificação, a SBPT elaborou uma tabela, seguida pela maioria dos pneumologistas, que classifica a asma em quatro diferentes graus: intermitente, leve, persistente moderada e grave.

Além disso, o especialista faz medições da capacidade pulmonar do paciente. É a soma dessas variáveis que dirá qual o melhor tratamento e que tipo de remédio é o mais indicado para aliviar as crises. Os principais medicamentos prescritos pelos médicos no controle da asma são os corticosteroides inalatórios (CI), tanto para crianças como adultos, a diferença está na dosagem.

O resultado esperado do tratamento é a diminuição da frequência e da intensidade dos sintomas. Geralmente, com duas semanas se consegue uma melhora da função pulmonar, mas a estabilização total pode levar meses ou até anos. Os CI são inalados nas famosas bombinhas e devem ser usados sempre de acordo com a recomendação de um médico, uma vez que podem ter efeitos colaterais.

 

Consultoria Christina Pinho, pneumologista

 

LEIA TAMBÉM: