5 artistas negras para dar streaming e fortalecer o movimento

Ajude a combater o racismo consumindo conteúdo produzido por pretos

artistas negras nacionais
Foto: Reprodução

Em meio à onda de protestos contra o racismo, nos Estados Unidos, culminados pela morte de George Floyd – um norte-americano negro, de 46 anos, que foi asfixiado por um policial branco -, a audiência da música de artistas negras nacionais e internacionais disparou nas plataformas de streaming.

Nos EUA, a revista ‘Rolling Stone’ realizou um levantamento em parceria com a empresa Alpha Data que mostra que alguns hits antirracistas como, por exemplo, ‘Don’t die’ (2012), do rapper e ativista Killer Mike, do duo Run the Jewels, subiram mais de 500% nos últimos dias. Confira a lista completa:

  • “Don’t die” – Killer Mike – 542%
  • “Say It Loud – I’m Black and I’m Proud” – James Brown – 455%
  • “Fuck tha police” – N.W.A. – 272%
  • “This is America” – Childish Gambino – 149%
  • “The Charade” – D’Angelo and the Vanguard -122%
  • “Fight the Power” – Public Enemy – 89%
  • “Alright” – Kendrick Lamar – 71%
  • “Freedom” – Beyoncé – 70%
  • “I Wish I Knew How It Would Feel to Be Free” – Nina Simone – 34%

Artistas negras nacionais para admirar e escutar

A exemplo do país, no Brasil, a luta contra o racismo, finalmente, começou a ganhar destaque em todos os setores e grupos da sociedade. Pensando nisso, como forma de ajudar a fazer com que o trabalho de pretos seja ainda mais consumido em todo o nosso território, nós separamos algumas artistas negras nacionais para começar a escutar e conhecer. Isto é, caso você já não faça isso!

Liniker

Liniker é uma cantora e compositora brasileira da banda Liniker e os Caramelows. Ela se tornou a primeira artista trans da história a ser indicada para o Grammy Latino, em 2019, com o disco Goela Abaixo na categoria Melhor Álbum de Rock ou de Música Alternativa em Língua Portuguesa.

IZA

Com um sucesso estrondoso e uma carreira já muito consagrada, Isabela Cristina Correia de Lima Lima, mais conhecida como IZA, é uma cantora, compositora, apresentadora, multi-instrumentista e publicitária brasileira.

A artista foi descoberta pela Warner Music, ainda em 2016, por meio de seu canal no YouTube. Seu álbum de estreia, ‘Dona de Mim’, foi lançado em 2018 e recebeu uma indicação ao Grammy Latino de Melhor Álbum Pop Contemporâneo em Língua Portuguesa.

Ellen Oléria

Atriz, mulher negra, lésbica e da periferia, Oléria faz questão de fazer de falar sobre os movimentos sociais, o genocídio da população negra, a diversidade de gênero, o empoderamento e feminismo negro em suas canções.

A artista consolidou sua carreira musical após se tornar a grande vencedora do ‘The Voice Brasil‘, em 2012, e assinar um contrato com a Gravadora Universal Music do Brasil.

MC Soffia

A jovem Mc Soffia começou a compor suas primeiras músicas quando ainda era criança. A artista usou de seu lugar de fala para empoderar outras meninas. A canção ‘Menina Pretinha’ foi responsável por alavancar a carreira da garota e colocá-la nas paradas brasileiras.

Majur

A cantora ganhou popularidade ao mostrar sua voz na música AmarElo, ao lado de Emicida e Pabllo Vittar. Para além de suas canções, a baiana se identifica como do gênero não binário (pessoa que não pertencente a um gênero exclusivo) e costuma abordar o assunto em suas melodias.

Leia também: