Anticoncepcionais podem contribuir para a formação de varizes

Saiba de que forma o anticoncepcional ajuda na formação das varizes e veja como evitar

anticoncepcional
Foto: Dona giraffa

Conhecido pelas mulheres por reduzir as chances de engravidar, os anticoncepcionais também são responsáveis por regular o ciclo menstrual, amenizar as dores geradas pelas cólicas menstruais e contribuir no tratamento de espinhas. Entretanto, o consumo de anticoncepcional gera também muitos efeitos colaterais, como o aumento do peso, o nervosismo e a dor de cabeça. Além disso, foi constatado que este tipo de medicamento contribui para o surgimento de varizes ao longo do corpo da mulher. De acordo com a Dra. Priscila Nahas, integrante da Sociedade da Brasileira de Cirurgia Vascular e da Associação Brasileira de Flebologia e Linfologia, os hormônios da progesterona e do estrógeno que compõem o medicamento afetam a permeabilidade vascular e a consistência sanguínea. Dessa forma, ocorrem mudanças na coagulação e consequentemente a formação das temidas varizes.

Aos 70 anos, cerca de 70% das pessoas possuem varizes. Foto: Shutterstock

A médica ressalta que as veias dilatadas aparecem não só por causa dos anticoncepcionais, mas também graças ao fator genético, à gravidez e também ao sedentarismo.

O que fazer para evitar as varizes?

Para Nahas, o ideal é que a paciente procure um ginecologista que a auxilie não só na ingestão do remédio, mas também nas prevenções contra a doença em questão.

Uma das opções para o tratamento das varizes é o uso das meias de compressão, que permitem que o sangue das veias retornem para o coração. Apesar de serem consideradas feias por muitas mulheres, existem diversos modelos que podem ser usados normalmente no dia a dia, conforme Priscila ressalta: “Muitas pacientes se enganam achando que só as meias ‘feias’ e grossas de antigamente é que vão proporcionar uma compressão eficaz na drenagem venosa. Atualmente temos meias esteticamente bonitas, aceitáveis socialmente e que dão esse suporte mecânico e funcional para a paciente”.

LEIA TAMBÉM