Alimentação correta e estilo de vida podem evitar Alzheimer

Conheça alguns hábitos alimentares e recomendações de especialistas que ajudam a retardar o aparecimento da doença de Alzheimer

salmao-nozes-azeite-mediterranea
Foto: iStock.com/Getty Images

Você sabia que uma alimentação adequada e um estilo de vida mais leve podem evitar o aparecimento do Alzheimer? Uma técnica alimentar indicada para tal situação é a chamada dieta mediterrânea. Composta por peixe, frango, azeite e outros alimentos ricos em ômega-3, melhora a cognição e diminui o risco do declínio cognitivo. “Componentes dessa dieta têm sido sugeridos como protetores para o comprometimento cognitivo e demência”, comenta a geriatra Fernanda Terribili;

Alimentação correta e estilo de vida podem evitar Alzheimer

Foto: iStock.com/Getty Images

Ingerir mais peixes

Ricos em ácidos graxos ômega-3, ajudam a controlar a coagulação do sangue, estimular as membranas celulares no cérebro e elevar a proteção contra o Alzheimer. “O ômega-3 está presente em peixes ricos em gordura, como o salmão”, revela o neurologista André Gustavo Lima;

Consumir regularmente azeite de oliva

“Pesquisadores descobriram que o oleocantal, composto presente no azeite extra virgem, impede que pequenos aglomerados iniciais de beta-amilóide se agarrem às sinapses das células nervosas, retardando a doença”, destaca André

Beber vinho

“Principalmente o tinto, que tem o poder de bloquear a perda de memória”, sugere André. Um cálice por dia é o suficiente;

Controlar o estresse e ansiedade

Além da alimentação, buscar um estilo de vida mais leve é fundamental para evitar o desenvolvimento do Alzheimer. O estresse e a ansiedade podem levar à angústia crônica capaz de acelerar a circulação numa hipertensão. “O quadro afeta a estrutura cerebral, levando a este e outros tipos de demência e problemas neurológicos”, alerta a gerontóloga Suyen A. Miranda;

Cuidar do coração

Fernanda aponta que, entre os fatores de risco modificáveis para o Alzheimer, estão os que controlam “hipertensão arterial, diabetes, doença coronariana, doença vascular periférica, excesso de gordura no sangue, diminuição do consumo de álcool e tabagismo”;

LEIA TAMBÉM

Consultorias: André Gustavo Lima, neurologista, membro do Departamento Científico de Doppler Transcraniano da Academia Brasileira de Neurologia e membro do Departamento Científico de Acidente Vascular Cerebral da mesma instituição; Fernanda Terribili, geriatra da clínica Doktor’s, de São Paulo (SP); Karina Hatano, médica do exercício e do esporte; Martin Portner, neurologista, mestre em neurociência pela Universidade de Oxford, escritor e palestrante; Suyen A. Miranda, gerontóloga da Velhice Com Carinho.

Texto e entrevistas: Ricardo Piccinato – Edição: Augusto Biason/Colaborador