Alimentação infantil: 5 dicas para incluir alimentos saudáveis na refeição

As crianças costumam fugir quando veem um prato de salada. Se esse é o seu caso, confira como tornar a alimentação infantil mais saudável.

criança comendo salada
Foto Shutterstock.com

Quanta dificuldade em fazer os pequenos aceitarem uma alimentação rica em frutas, verduras e legumes, não? Por volta de 3, 4 anos, eles vão ficando mais seletivos e, com isso, dispensam facilmente um bom prato de salada. Nessa hora, os pais ficam de cabelo em pé, pois sabem que oferecer refeições ricas em nutrientes ajuda no desenvolvimento físico e mental dos filhos. Se a luta é acirrada na sua casa, dê uma olhada nessas dicas quentes dos especialistas:

criança comendo salada

Foto Shutterstock.com

1. Seja o modelo

“Os pais têm um papel fundamental no hábito alimentar dos filhos, pois eles preparam e/ou oferecem os alimentos para as crianças. Dar o exemplo ao manter a própria alimentação saudável, oferecer à criança os alimentos necessários para uma boa nutrição e não desistir de dar um alimento, mesmo que ela recuse, são atitudes que os pais devem tomar”, afirma a nutricionista Paula dos Santos.

2. Refeição e arte

Comer com os olhos! Essa expressão se encaixa perfeitamente aos desejos dos pequenos. Pratos coloridos e divertidos mudam a relação da criança com a comida, pois ela passa a agregar diversão à refeição. Claro que nem sempre é possível criar obras de arte à mesa, mas incrementar um prato de macarrão com ervilhas e tomate para formar uma carinha já dá um toque especial à comida.

3. Sem ameaças

Paula Santos ressalta que não é correto usar ameaças para forçar o filho a comer, pois a criança terá uma imagem ruim do horário de refeição. Por outro lado, também não é correto oferecer recompensa, pois o filho precisa entender a importância da boa alimentação.

Saiba mais:

Como preparar uma lancheira saudável para as crianças? Confira!

Lancheira saudável: confira opções de lanches para as crianças

Snack saudável: aprenda a fazer chips naturais!

4. Respeite os horários

É importante que a criança tenha uma rotina estabelecida, com hora para acordar, dormir, tomar café, almoçar, estudar, entre outros. Mas, isso não quer dizer que não possa haver uma certa flexibilidade. “Se a criança não estiver com fome naquele momento ou rejeitar a comida, o que pode ser feito é oferecer a mesma refeição depois de algumas horas, mas nunca trocar uma refeição por lanche ou compensar com doces ou mamadeira”, afirma Vanessa Suzuki, professora de nutrição.

5. Inove

Tente outras formas de apresentar o alimento à criança. Por exemplo, se ela não gosta de cenoura cozida ou de cenoura crua, tente mostrar a ela que o bolo de cenoura, o suflê de cenoura ou suco de cenoura podem ser saborosos. Esses preparos alternativos podem até diminuir a aversão da criança ao alimento que ela recusa.

 

Consultoria Paula dos Santos, nutricionista; Vanessa Suzuki, professora de nutrição