Repleto de novidades, o programa Ídolos estreia nesta quinta, 10 de junho. Confira as entrevistas!

Avalie

Repleto de novidades, o programa Ídolos estreia nesta quinta, 10 de junho. Confira as entrevistas!  

Surpresas e muita emoção marcam a terceira etapa do programa, que é sucesso no mundo inteiro

O programa Ídolos, que será exibido a partir de 10 de junho na Record, traz novidades e promete ser ainda mais emocionante. Agora, com a idade de inscrição reduzida para 16 anos, a terceira temporada ganha a cor e animação dos integrantes mais novos, que, independente de ganhar ou não, estão dispostos a lutar e surpreender o público.

Confira os extras da coletiva de Ídolos e não perca a próxima edição da revista Guia da Tevê, com as entrevistas completas e tudo o que vai rolar na próxima etapa do programa!

Além de apresentar o programa, como é entrevistando os candidatos de Ídolos?

Rodrigo Faro – “A gente tem audições em cidades maravilhosas do País, depois cai pra fase do teatro que é uma pressão enorme, e o ídolo precisa aprender a viver com essa pressão e o nervosismo. Então, o programa está bem colorido e temos um panorama de tudo o que é feito de música boa no nosso País. E tomara que seja um grande sucesso, pois estamos trabalhando muito!”

Por que os vencedores das temporadas anteriores não tiverem grande projeção na mídia? O fato de vocês terem mudado de gravadora (da Sony pra Warner) tem a ver com isso?

Calainho – “Eu fui 10 anos executivo de uma grande gravadora, e é assim: o programa entrega o talento pro País, mas é papel da gravadora, e eu posso falar isso com muita tranqüilidade pois fui gravadora durante uma década, o papel da gravadora é deflagrar esse artista. E receber um artista com o nível de disposição que ele tem, e o nível de audiência que esse programa gera, e o nível de emoção que gera junto ao público em casa, é excepcional. Então, é papel da gravadora abraçar o artista e trabalhar. Infelizmente, a gravadora da primeira temporada (Sony Music) não funcionou e não trabalhou bem o artista. Já na temporada passada, com o Saulo foi diferente, e também está sendo feito um trabalho excepcional pela EMI com o segundo colocado, o Diego, e ele tem a décima quinta música mais tocada no Rio de Janeiro, que tem um mercado mais complicado… E há dificuldade com a concorrência, na exposição dos candidatos em outros meios de comunicação, mas mesmo assim, o Diego tá tendo um nível de execução sensacional. Então, eu tenho certeza absoluta que tanto o Saulo quanto o Diego vão ter carreiras estabelecidas. Mas a construção de uma carreira não acontece do dia pra noite, até pra que esse artista tenha consistência no mercado.”

Fernanda Telles (diretora artística) – “Uma percepção que a gente tem agora com essa terceira temporada, é que o Ídolos  é definitivamente consolidado na plataforma de lançamento de talentos desse País.  Nesse momento, a gente traz pro programa essa responsabilidade com muita seriedade. Vocês falaram do Saulo e do Diego agora, mas todos os finalistas do ano passado tiveram muito mais chance e mais arranque na carreira dentro de um mercado musical que está se reestruturando. E isso se reflete na qualidade dos cantores que nós vamos ter esse ano. O nível da competição desse ano é outro! Os novos cantores acreditam no Ídolos como essa nova plataforma de lançamento, a gente tem essa credibilidade e isso ficou muito claro.”

Ídolos estreia dia 10 de junho, e será exibido na Record às terças e quintas-feiras, a partir das 23 horas.

Entrevista: Eliane Calixto
Texto: Larissa Faria

Foto: Celso Akin/AgNews

Mais lidas