Guia da Tevê falou com a Lia, ex-BBB10

Avalie

Guia da Tevê falou com a Lia, ex-BBB10 

Guia da Tevê: Na despedida de vocês (Cadu), parecia que ia sair um beijo…
Lia: Se a gente tivesse de beijar, não ia ser ali, na hora da partida. Não sei se pode rolar aqui fora ou não porque não sei o que pode acontecer comigo amanhã. O futuro é sempre incerto. Mas é amor de amigo.

Guia da Tevê: Você discutiu com muita gente. Quer manter contato com essas pessoas aqui fora?
Lia: Aconteceram muitas coisas ali, mas ficaram lá dentro. Você briga com uma pessoa, fica chateada, mas consegue enxergar o quanto ela é bacana e tem qualidades. A pessoa não é só uma coisa. Não é só legal ou só chata.

Guia da Tevê: Quando você indicou a Tessália, passou a ser vista de outra forma pelos concorrentes ao prêmio. Se arrependeu?
Lia: Eu sei que ali eu virei vilã para algumas pessoas. Só não fui mais ao paredão porque fui a campeã de imunidade. Eu sou aberta. E vou gostar de você até que você me prove o contrário. Já fiz muito isso aqui fora: fazer demais por alguém e não enxergar reciprocidade. Naquela prova de líder que eu ganhei, vi que eu não significava nada para a Tessália como pessoa. Eu jogava, mas com o meu coração. Eu preciso de gente. Não consigo ficar sozinha.

Guia da Tevê: Você pensou em tentar se controlar para chegar à final?
Lia: Quem gostar de mim, vai ser do jeito que eu sou. É muito fácil você gostar de alguém que está ali sorrindo, feliz, de bom humor. Quero ver você ficar do lado de alguém que está mal, triste, sofrendo, chateado, precisando de você. Aí é difícil, porque a pessoa está chata.

Guia da Tevê: Mas nem o ciúme que sentiu da Fernanda você tentou esconder. Não se arrepende? Até porque você saiu e ela ficou lá dentro, do lado dele…
Lia: Não dá, eu não consigo controlar. Agora não tem problema, ele é meu amigo. Eu vou viver tendo ciúmes. Sou mulher e ciumenta. Não dá para mentir. Fica na minha cara tudo que eu sinto, eu não ia fazer a louca lá dentro.

Guia da Tevê: Você acha o Dourado homofóbico?
Lia: O Dourado, quando entrou no jogo, foi rejeitado pela casa. Mas ele se identificou com o Cadu, eles conversaram e eu pensei que não era legal pegar uma pessoa para Cristo. Não é que ele é homofóbico, o problema é que ele convive em um meio onde não há gays. Mas ele teve de aprender. E aprendeu. Se ele fosse homofóbico, não colocaria a mão no Serginho quando ele se confundiu.

Guia da Tevê: Você acredita que o Serginho possa ter sentido tesão na Fernanda?
Lia: Acho o Serginho tão gay que não imagino que ele tenha sentido tesão. Mas isso só ele pode dizer.

Guia da Tevê: Você quer posar nua?
Lia: Não sei se eu vou posar nua, preciso primeiro saber se existe o interesse e como é feita essa negociação. 

Guia da Tevê: Você dizia que amava o Luciano, mas não estava namorando. Por que vocês estavam separados?
Lia: Eu sou dançarina e trabalho na noite. O Luciano me conhece como ser humano, mas estar com uma mulher que dança na noite é complicado. Vamos buscar esse entendimento. Ele tinha terminado um relacionamento de muito tempo e quando a gente se encontrou, bateu.

Guia da Tevê: E agora você não deve mais precisar trabalhar na noite…
Lia: Antes, eu precisava dançar na noite porque eu tinha minhas contas para pagar. Agora, eu não sou hipócrita, sei que minha vida vai melhorar. Vou poder ajudar meus pais. Antes, era difícil ter um namorado. Não era o Luciano, mas qualquer um, porque eu precisava trabalhar. Homem nenhum vai me sustentar. Mas não quero tomar nenhuma decisão precipitada.

Entrevista: Márvio Gonçalves/Colaborador
Foto: Alex Palerea/AgNews

Mais lidas