Entrevista com Maitê Proença

Avalie

Entrevista com Maitê Proença 

Maitê Proença gerou polêmica na última semana. Alguns veículos publicaram notas de que a atriz estaria reclamando dos cortes das suas cenas sofridas em “Passione”. Durante a passagem pelo Fashion Rio, a atriz fez questão de desmentir o acontecido. “Não foram só as minhas cenas que foram cortadas. Isso aconteceu com todo mundo porque a novela está grande. As pessoas me perguntaram no site e eu respondi no meu blog que a novela estava grande e precisava se encaixar com a programação da emissora, e que isso é só um momento, e que tudo vai se ajustar. Mas as pessoas pegaram somente uma parte do que eu coloquei e editaram, dando outro sentido para o que eu realmente escrevi”, destaca.

Na entrevista dada à Guia da Tevê, Maitê também fala sobre as repercursões em Portugal, que ainda gera polêmica, desde 2007, quando foi exibido um vídeo no programa “Saia Justa”, da GNT, com algumas brincadeiras da atriz sobre o público local.

Guia da Tevê: Como você acha que vai ser a recepção do personagem em Portugal com a novela sendo exibida por lá?
Maitê: Eu não sei. Não sei mais o que os portugueses pensam de mim depois dos últimos movimentos que aconteceram lá. Então, eu fiquei um pouco assustada com os últimos acontecimentos.

Guia da Tevê: Você pretende voltar a Portugal ou ainda sente um pouco de medo?
Maitê: Nesse momento, eu estou morrendo de medo. Mas uma hora eu explico aquilo porque foi tudo um mal entendido entre pessoas de bem, evidentemente. Uma hora eu vou me explicar quando me derem a oportunidade. Porque o Youtube é uma arma muito poderosa se você pegar um negócio e selecionar um trecho daquilo. E era uma edição que já foi feita de um material. Enfim, uma hora eu vou explicar isso direito. Mas nunca houve nenhuma intenção de magoar.

Guia da Tevê: Você está arrependida? Você gostaria de antecipar uma explicação, antes mesmo de ir à Portugal?
Maitê: Se eu estou arrependida? Eu acho que poderia ter acontecido de outra maneira. Não foi algo que eu teria previsto. Se eu pudesse ter previsto que aquilo ia acontecer daquela maneira, eu teria evitado. Mas eu nem sabia. Quando eu entreguei aquele material, que foi uma fita… Eu estava fazendo uma peça em Portugal. Fiquei 40 dias viajando por todas as cidades que nos receberam. E a peça foi muito bem aceita, era “Achadas e Perdidas”, uma peça anterior à que está em cartaz aqui no Brasil (As Meninas). E eu fiquei fazendo filminhos com a minha própria equipe, elogiosos, aos lugares bonitos de Portugal. E havia ali no meio algumas brincadeiras. Eram 40 dias de filmagens, que eu fazia como vídeos caseiros. Quando eu voltei ao Brasil, eu comentei com o diretor do “Saia Justa” que eu tinha umas imagens de Portugal superlegais. Eu nem me lembrava mais o que tinha ali. Então, ele fez uma seleção e dentro dessa seleção ele pegou só as brincadeiras particulares que eu estava fazendo com meu diretor, com meu figurinista, que eram bobagens. Bobagens minhas em vídeos caseiros e nunca era para ser profissional. Eu fiz uma gentileza cedendo os vídeos. E ele pediu para mostrar no programa. Como eu já nem me lembrava direito o que tinha nos vídeos, ele fez uma edição e ficou daquela maneira. E aí desagradou, né?! Eu não tinha visto antes. Eu só vi no ar e tomei um susto. Mas o que eu ia fazer? Já estava dentro do programa. Enfim, eu acho que houve um mal entendido porque as pessoas entenderam aquilo de uma forma pesada e não foi feito com aquele intuito. Eu tenho dois avós portugueses, dos dois lados. Tem um busto do meu avô na entrada do teatro do Clube Ginástico, que é o primeiro clube português do Rio de Janeiro, que meu avô, Augusto Gallo, era patrono. Então, eu acho que, da mesma maneira que eu posso brincar com meu presidente, a gente pode brincar com as coisas que são nossas.  Os outros é que não podem, né?! Eu me sinto também portuguesa, de certa forma, por ter uma genética portuguesa, uma herança portuguesa, eu achei que poderia brincar, pelo menos, com a minha equipe. Mas como aquilo foi a público, foi editado e ainda foi para o Youtube com um título muito grosseiro como “Maitê cospe em Portugal”. Aí, induziu as pessoas a pensarem uma coisa que nunca esteve dentro de mim. O Miguel Souza Tavares, apresentador português, me alertou que aquilo era maior do que eu pensava. Porque eu não imaginei que aquilo pudesse crescer a tal ponto. E o Miguel me falou ‘Maitê, aqui a coisa está grande. Eu acho que você deveria tomar certas precauções’. Mas, ainda assim, eu não imaginei que pudesse ter tomado esse rumo. Mas tomou. Infelizmente. E também não adianta a gente ficar falando de uma coisa que já aconteceu. E um dia eu vou lá no programa e explico melhor, dou minha cara a bater e, quem sabe, os portugueses que perdoem.

Guia da Tevê: Você foi convidada para ir a Portugal recentemente?
Maitê: Agora não é possível porque agora eu tenho a novela que estou gravando e a peça em cartaz… Mas o próprio Miguel sugeriu, porque ele vai ter um programa novo. Mas eu teria que ir a Portugal e eu tenho medo de me atirem pedras. Então, eu acho que vou esperar um pouco.

Texto e entrevista: Márcio Mello
Foto: João Miguel Júnior

Mais lidas