Entrevista com Glória Pires

Avalie

Entrevista com Glória Pires  

A atriz relembra toda sua carreira com o lançamento do livro “40 anos de Glória” e garante que ainda tem sonhos a viver

 

Guia da Tevê: Como foi relembrar e contar todos os principais momentos da sua vida ao longo dos seus 40 anos de carreira? Você se lembrava de tudo?

Glória: “Eu não sou uma pessoa que tem um arquivo pessoal. Eu não tenho muitas fotos, muitas lembranças de trabalho, então, de muita coisa eu não me lembrava, tinha que perguntar pra minha irmã. Fiz muita coisa num tempo longo, então, muita coisa tinha se apagado da memória. Mas foi bem melhor do que eu imaginava. Quando o Eduardo me propôs fazer a biografia, eu falei: ‘Eduardo, eu acho que biografia é uma coisa pra uma pessoa que já tem mais idade, que já viveu mais’. E ele disse: ‘Mas você já viveu muito! (risos)’. Realmente, mas me parecia uma coisa meio antes da hora. Depois, ele surgiu com a ideia de fazer uma biografia profissional, aí eu disse: ‘Bom, agora que vai ser complicado, porque parece que, com o passar do tempo, você perde um pouco aquela sensação real de como as coisas aconteceram. Vai ficando tudo meio apagado, nebuloso”.

Guia da Tevê: De tudo o que foi contado no livro, tem algum momento do qual você sentiu mais satisfação e que possa revelar pra gente?

Glória: “Nos meus melhores sonhos, eu não imaginei que pudesse receber tanto. Então, isso é um motivo de orgulho, alegria, satisfação e realização. A forma como as coisas apareceram pra mim, as oportunidades incríveis que eu tive, os personagens maravilhosos, conhecer profissionais incríveis, poder trabalhar com gente que eu era fã, e aprender com eles!”

Guia da Tevê: Qual personagem você ainda sonha em fazer?

Glória: “Sempre falta algum, né? A gente está em busca de retratar os dramas humanos, e são tantos. A vida humana é tão mais incrível do que qualquer obra de ficção. Falta muita coisa, mas se Deus quiser, eu ainda tenho muita estrada pela frente.”

Guia da Tevê: Você e o Tony Ramos fizeram trabalhos juntos na tevê e no cinema, e é díficil não falar dele quando se fala de sua vida profissional. O que você tem a dizer sobre o Tony?

Glória: “Ah, o Tony é um querido, um amigo maravilhoso, ele está no meu coração, é nosso querido amigo, um ator fantástico. Ele é tudo de bom!”

Guia da Tevê: Você já está se preparando para a próxima novela das oito, como será sua personagem?

Glória: “Eu apenas recebi a sinopse (novela do Gilberto Braga). Não recebi ainda nenhum capítulo, devo receber somente no fim do mês, quando eu voltar a morar definitivamente no Rio de Janeiro. O Dennis Carvalho já me ligou, e ele quer me entregar os capítulos.”

Guia da Tevê: Depois de passar 3 anos em Paris, você já está morando definitivamente aqui no Brasil?

Glória: “Já estou aqui no Brasil.”

Guia da Tevê: A escolha da sua profissão se deve diretamente ao seu pai?

Glória: “Eu me lembro de mães de amigas minhas que falavam muito para os meus pais: parabéns, ela é tão educada, diferente, nem parece ser filha de artista (risos).”

Guia da Tevê: E isso aconteceu também com a sua filha, a Cléo, né? Ou seja, de tanto te acompanhar, virou atriz também…

Glória: “É, ela ia comigo. Todos eles me acompanham. Eu acho legal que eles saibam porque a gente passa tanto tempo longe deles e o que a gente está fazendo, né?”

Guia da Tevê: Você sente necessidade de ter a aprovação do público quando entra numa novela?

Glória: “A televisão dilui um pouco e a gente não fica sabendo muito quando o público aprova ou não o personagem, a não ser que seja uma coisa muito forte, senão fica diluído ao todo da novela.”

Guia da Tevê: Quando você resolveu se mudar pra Paris, foi pra ficar mais próxima da sua família, poder andar na rua sem ser reconhecida, enfim, ter uma vida mais normal?

Glória: “Lá eu tenho uma liberdade de ir com meus filhos até a escola e voltar todos juntos de metrô, coisas que não dá pra eu fazer aqui. Lá no Rio, por exemplo, não tem metrô perto de onde eu moro, e eu adoraria que tivesse (risos). Mas foi uma experiência diferente, foi ótimo… pra mim foi maravilhoso, e acho que pras crianças, quando eles forem mais velhos, eles vão entender que pra eles também foi uma experiência maravilhosa.”

Guia da Tevê: Você, assim como seu marido, Orlando Morais, gosta de soltar a voz e cantar também, né? Como é esse seu lado cantora?

Glória: “Eu tive algumas oportunidades de cantar em alguns trabalhos, inclusive, agora, no filme É Proibido Fumar, a minha personagem é apaixonada pelo Chico Buarque e tem toda uma história com a música dele.”

Guia da Tevê: Você recebeu dois convites pra posar nua e não aceitou… Agora, sua filha, a Cléo, vai estampar a capa de uma revista nua. O que você acha disso?

Glória: “Tranquilo.”

Guia da Tevê: Voltando a falar da sua carreira, como foi pra você fazer a mãe do Lula no cinema?

Glória: “Quando o Fábio Barreto me chamou pra fazer o filme, eu não conhecia a história do Lula, e ele me mandou o livro. No roteiro que eu li, tinha toda a história para eu compor a dona Lindu, e eu fui atrás de saber da própria família, porque essa é a forma como eu trabalho. Eu não pensei em interpretar a mãe do presidente, estava pensando numa mulher que é 99%  da população brasileira, que passou por aquilo de alguma forma. Ela é uma mulher muito brasileira, até porque a proposta do filme é justamente não falar do Lula presidente, da carreira política dele, mas mostrar o que veio antes, quem era ele antes de ser conhecido.”

Guia da Tevê: Se fosse pra trabalhar em algum remake de novela, qual seria e qual personagem gostaria de fazer?

Glória: “Olha, eu acho que uma novela que merecia um remake é Dancing Days! É uma novela muito legal, mas ficou defasada tecnicamente. E eu gostaria de fazer a Yolanda Pratini (personagem que foi de Joana Fomm).”

Entrevista: Eliane Calixto

Mais lidas