Astro sertanejo: Luan Santana revela como chegou ao sucesso

Avalie

Astro sertanejo: Luan Santana revela como chegou ao sucesso 

Guia da Tevê: Você tem muita proximidade com a internet. Foi por conta dos altos números de visualizações no YouTube e cia. que a Som Livre se interessou por você?
Luan Santana: Não sei te dizer. Acho que deve ter sido. Porque a Som Livre fica no Rio de Janeiro, e o Rio é meio que fechado para o sertanejo. E o “Luan Santana” está abrindo isso agora. Acho que o sertanejo vai começar a entrar no Rio de Janeiro. Acho que eles perceberam pela internet, mesmo. Eu estourei na internet, mas antes disso a gente já tinha um trabalho enorme. Eu já fazia shows. Então, não foi assim: a gente colocou as músicas na internet e começou a trabalhar, porque eu já cantava antes.

Guia da Tevê: É você mesmo quem tuita?
Luan Santana: Sou eu. E eu curto, sim. É uma forma muito legal de ter um contato mais próximo com os fãs.

Guia da Tevê: Qual é a história do hit Meteoro? Como essa música foi composta?
Luan Santana: Foi a música que mais pegou. Foi mesmo um Meteoro no Brasil. Teve mais de 10 milhões de acessos na internet. Não é composição minha, é do Sorocaba.

Guia da Tevê: Mas você compõe também?
Luan Santana: Sim, a maioria das composições é minha.

Guia da Tevê: Da primeira vez que nós te entrevistamos, você disse que curte outros estilos de música e até tem um momento “pop rock” internacional nos seus shows. Quais são as bandas/artistas internacionais que você gosta de ouvir?
Luan Santana: Acho que tem alguma coisa de Three Doors Down. E eu curto muito também o McFly.

Guia da Tevê: Você é supersticioso? Tem algum ritual antes de entrar no palco?
Luan Santana: Eu não. Eu rezo. Signo eu também não sou muito fã, não. Algumas coisas eu sei que são verdade, mas eu não ligo muito.

Guia da Tevê: Vc já pensou em seguir outra profissão? O que seria?
Luan Santana: Eu não cheguei a fazer faculdade por causa da música, mas eu faria ou Biologia ou Publicidade e Propaganda.

Entrevista: Liliane de Lucena
Foto: Carlos Hinke/Colaborador

Mais lidas