Prescrição de dívidas: o que é e como funciona

Avalie

Com certeza você já ouviu falar em prescrição de dívidas e, além de querer saber como funciona, ficou tentada a não pagar as contas que deve. Porém, antes de tomar essa decisão, é importante entender do que realmente se trata e os porque isso não é recomendável, para não cair em um problema ainda maior.Veja informações da consultora financeira Waldeli Azevedo:

Prescrição dívidas como funciona

Foto: Shutterstock / Images

De forma simples, a prescrição de dívidas trata-se da perda da validade da dívida e do prazo de cobrança, já que o nome do devedor não pode permanecer no cadastro de proteção ao crédito por período superior a cinco anos da dívida que gerou a inscrição.

Porém, Waldeli alerta que nem todas as dívidas prescrevem em cinco anos: “De acordo com o artigo 205 do Código Civil, os débitos prescrevem em 10 anos, salvo algumas exceções. No entanto, a maior parte das dívidas do dia-a-dia, como boletos bancários, convênio médico e cartões de crédito, prescrevem em cinco anos. Já as contas de água, energia e telefone, podem ser cobradas até 10 anos após o vencimento”.

Apesar de parecer cômodo, deixar de pagar uma dívida esperando sua prescrição pode deixar a pessoa em uma situação ainda pior. “O consumidor ficará com seu nome comprometido durante muito tempo, já que os prazos são extensos. Isso faz com que a pessoa fique impedida de realizar financiamentos e de ter sua situação financeira e seu nome regularizados”, aconselha Waldeli.

Vale lembrar que, mesmo depois que a dívida prescrever, o credor ainda pode entrar com uma ação da Justiça para receber o dinheiro que lhe é devido e, nestes casos, é o juiz quem decide sobre como será o pagamento. Portanto, esperar o vencimento do direito de cobrança não garante o não pagamento da conta e, quanto maior o tempo de atraso, maiores são os juros e ainda maior se torna o valor a ser pago.

Então, para não cair nessa e evitar dívidas, é importante ficar atenta a algumas dicas:

– Cheque é um pagamento à vista. Tenha sempre certeza de que sua conta corrente tem fundos para cobri-lo;

– Só assuma compromissos financeiros após analisar e considerar seu orçamento, com a certeza de que poderá honrá-los;

– Pague sempre suas contas em dia;

– Caso tenha dificuldade para pagar uma dívida na data do vencimento, negocie com o seu credor outra forma de pagamento, não espere a dívida acumular para tomar uma atitude.

 

Consultoria: Waldeli Azevedo, consultora financeira do Programa Finanças Práticas (www.financaspraticas.com.br)

 

 

 

Tags:

Mais lidas