Tira-dúvidas sobre hepatite

Avalie

Hepatite é uma inflamação do fígado que pode ser causada por ingestão de drogas, álcool e, o caso mais comum, por meio da contaminação por vírus. A doença chegou a matar no Brasil mais de 20 mil pessoas na última década.

Tira-dúvidas sobre hepatite

Foto: Thinkstock Images

A questão é tão grave que o Ministério da Saúde chegou a criar uma campanha com os dizeres “você não sabe, mas pode ter pegado hepatite assim”, colocando ao final da frase a forma do contágio. Não é para menos: estima-se que o número de brasileiros que não sabem que têm hepatite chegue a um milhão.

Por isso, tire as suas dúvidas sobre os vírus da hepatite, as formas de contágio e os tratamentos possíveis!

Quais são tipos de vírus mais comuns?
Os vírus mais comuns no Brasil são o A, B e C. Os vírus D e E são mais frequentes na África e Ásia.

Quais são as principais formas de contágio de cada um?
Os vírus A e E têm contágio via fecal-oral, através de condições precárias de saneamento básico, água contaminada, higiene pessoal e alimentos.

Os vírus B, C e D acontecem via transmissão sanguínea através de sexo sem camisinha(,) ou por meio de cortes e furos na pele, como no caso de lâminas de barbear, alicates de salões de beleza, seringas e agulhas de estúdios de tatuagem. O vírus ainda pode gerar contágio por transmissão sanguínea durante a gravidez, parto ou amamentação.

Quais são os sintomas?
A hepatite é uma (são) doença silenciosa e nem sempre apresenta sintomas visíveis, mas quando aparecem percebe-se cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

Quais são os tipos mais graves?
Os vírus A e E apresentam apenas formas agudas de hepatite (não possuindo potencial para formas crônicas). Isto quer dizer que, após uma hepatite A ou E, o indivíduo pode se recuperar completamente, eliminando o vírus de seu organismo. A pessoa que se contaminar com as hepatites B, C e D tanto pode apresentar quadro agudo quanto (tanto) infecção crônica, ou seja, o vírus permanece no organismo por mais de seis meses.

Como é o tratamento?
O tratamento é essencialmente preventivo e gratuito. O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece a vacina do vírus B em postos de saúde e a vacina do vírus A é fornecido pelos Centros de Referência Imunobiológicos Especiais (CRIEs). Não existe vacina contra a hepatite C.

A vacina do vírus A não está no cronograma de vacinação nacional e só pode ser indicada mediante prescrição médica. A vacina do vírus B é oferecida dentro do calendário da criança e adultos (do adolescente) com até (tendo a idade de) 29 anos (como faixa etária máxima). A vacinação de recém-nascidos contra o vírus B deve ser feita nas primeiras 12 horas de vida do bebê.

Informações: Departamento de DST’s, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

 

Mais lidas