Uma delícia de vizinho

Avalie

Saí de casa pronta para arrasar com as amigas, pois há muito tempo não conseguíamos sair juntas. Resolvi aproveitar que meu namorado estava viajando, coloquei uma blusa bem decotada, uma saia curtinha e combinei com a minha antiga turma de promovermos uma noite das meninas, sem namorados, para colocarmos a fofoca em dia e para dar uma paquerada por aí. Desci as escadas do apartamento, entrei no carro, mas, quando fui dar a partida, não pegava! Mais do que depressa chamei o meu vizinho, na esperança de ser um problema fácil de resolver. Estava muito brava, mas toda minha raiva sumiu com a chegada do vizinho. Sempre fico de olho nele, pois é um gato: olhos claros, 1,80 metros ombros largos, barba por fazer, aquela cara de safado, capaz de te comer com apenas um olhar. Mais rápido do que eu esperava, ele resolveu o problema falando que era apenas a bateria descarregada. Em um impulso de felicidade, pulei em seus braços para agradecê-lo, e dei um beijinho de leve em seu rosto, bem perto da boca. Mesmo pego desprevenido, ele me segurou com facilidade. Ainda presa, e um pouco sem graça, pude sentir um volume crescendo entre suas pernas, e roçando em meu ventre. Sem saber o que fazer e já muito excitada, resolvi chamá-lo para beber um copo de água, convite que foi aceito mais do que depressa. Chegando na cozinha, me abaixei para pegar a água, que ficava na última gaveta da geladeira e, na mesma hora senti a pressão de duas mãos segurando minha cintura, que era pressionada contra o mastro daquele homem enorme! Não tinha mais como fugir, me virei e me entreguei a um beijo delicioso, e cheio de tesão. Com apenas uma mão ele me colocou sobre o balcão da cozinha, abriu minhas pernas e rasgou minha calcinha com um único puxão. Ele me chupava com voracidade, lambendo delicadamente minha virilha e invadindo minha intimidade com seus dedos fortes. Eu nunca tinha traído meu namorado antes, mas o desejo de ser possuída por aquele homem era grande demais. Praticamente implorei para ser comida, pedido que foi prontamente atendido! De quatro, ainda apoiada sobre a mesa, recebi aquela vara enorme em meu interior. Ele puxava meu cabelo e dava fortes estocadas, me arrancando gemidos e fazendo com que o prazer escorresse por minhas pernas… Após gozar, praticamente esqueci os meus pudores, me coloquei de joelhos e passei a chupar aquele membro enorme, que mal cabia na minha boca… Em pouco tempo seu jorro de cobriu meus seios, mas sua excitação não diminuía! Transamos de pé, no sofá, na cama e no banheiro, uma sequencia de prazeres que me deixou totalmente extasiada. Cansada, já tarde da noite, resolvi que era hora de colocar um fim naquilo. Pedi para que ele voltasse para o apartamento dele e apagasse da memória tudo que aconteceu! Dormi realizada na minha cama, sem me importar mais com o fato de ter perdido o passeio com as meninas!

Leia amanhã: “Minha primeira vez no swing”

Mais lidas