Entregador de prazeres

Avalie

Meu namorado tinha terminado nosso namoro há um mês. Eu estava arrasada, odiava ficar sozinha e ainda não fazia sexo há um tempão. Resolvi que ia afogar minhas mágoas com vinho e pizza. Abri uma garrafa do meu vinho favorito e deixei respirando enquanto fazia meu pedido pelo telefone. Tomei um banho, coloquei uma camisola e sentei para esperar meu pedido chegar, tomando uma taça.
A pizza demorou algum tempo e eu já tinha tomado, pelo menos, metade da garrafa. Quando a campainha tocou eu saí correndo para abrir a porta, estava morrendo de fome. Pedi que o entregador a deixasse em cima da mesinha enquanto saí para pegar o dinheiro. Quando voltei vi que ele ficou me encarando, lógico, eu estava só de camisola e, ainda por cima, ela era transparente, sem contar que sei como chamo a atenção dos homens. Me senti muito excitada com a situação. Quem diria, um entregador de pizza. Que clichê!
Resolvi jogar meu charme para ver sua reação. Peguei a minha taça e o dinheiro. Parei na frente dele e tomei um gole do meu vinho, deixando cair “sem querer” algumas gotas em meu decote. Dei uma risadinha, limpei com os dedos e os lambi. Acho que aquilo o deixou louco. Pude ver que seu pau ficava duro por baixo da calça. Coloquei o dinheiro em cima da mesa e entreguei minha taça para ele. Mandei que desse um gole, e ele o fez. Perguntei se queria entrar e ele disse que sim com a cabeça. Peguei sua mão e o levei até o sofá.
Tirei minha camisola e fiquei só de lingerie. Sentei em seu colo e comecei a me esfregar nele. Sentia que seu membro ficava cada vez mais duro. Comecei a beijá-lo e ele apertava minha bunda, minha cintura. Comecei a tirar sua camiseta e ele me beijava com força, segurando minha abeça. Tirei toda sua roupa e comecei a chupar aquele pau enorme. Enfiava na minha boca o máximo que conseguia e via sua cara de êxtase, o que me deixava com ainda mais tesão. Depois que gozou, ele me puxou para seu lado e abriu minhas pernas, passou a mão por todo meu sexo e enfiou seus dedos em mim enquanto lambia meu clitóris. Depois que eu cheguei ao clímax ele me levantou e me colocou sentada na mesa da sala e me penetrou tão forte que eu precisei gritar. Aquilo era incrível, uma mistura de dor e prazer. Ele dava estocadas fortes e rápidas e não parava. Me fazia gritar e ter mais orgasmos. Aquela noite foi incrível e, agora, sempre que me sinto sozinha, faço um “pedido” para entrega.

Leia amanhã: “Loucuras no cemitério”

Mais lidas