Como minha esposa perdeu a virginidade no carro

Como minha esposa perdeu a virginidade no carro
Avaliação 1 - Votos 1

Nós estavamos ficando e eu era bem ciumento. Trabalhávamos e estudávamos juntos, não na mesma classe, mas íamos juntos para o colégio no ônibus. Aproveitava a viagem sempre e ia dando aqueles amassos. Passando a mão, beijando. Ela bem safadinha e doida para dar.

Marcamos uma noite e saímos dar uma volta. Entramos em um terreno onde tinha uma casa em construção e começamos a nos pegar ali. Abaixei o shorts dela e calcinha até o joelho. Mas não comi naquele dia. Apenas passei e ficamos com medo de chegar alguém.
Bom, nos fins de semana eu não ficava com ela, pois queria ver se pegava outras meninas e deixava ela sair com as amigas na balada. Mal sabia eu que era muito mais fácil pra ela conseguir ficar com alguém. Pois bem, ela sempre ficava com alguém e se aproveitava por não termos um compromisso assumido, pois eu não assumia.

Então na balada ela beijava, alisava, encostava. Em uma dessas ela estava com as amigas e um primo de uma cidade próxima se aproximou ficou ali conversando. Foi apresentado e ela a mais safadinha e fácil de todas. Ficou conversando e começaram a ficar. Primeiro uns beijos ali e depois ele foi levar ela embora. Naquela noite pararam perto da casa dela e entre uma conversa e outra beijaram muito.

Ele mais velho e safado, comedor, começou a alisar e colocou a mão dentro da calça dela. Percebeu ela muito molhada, cheirosa e ficou louco. Colocou a mão dela no pau dele e isso a deixou ainda mais excitada, pois ele tinha um pau muito maior que o meu ( ela já pegava no meu quando ficavamos e já havia pego em outros ).

Naquela noite, perto da casa dela, ele fez ela bater uma punhetinha pra ele. E disse que queria ver a buceta dela. Mas não teve jeito ali. Ela foi pra casa e se tocou pensando nele.

Ficou comigo durante a semana e eu sem saber de nada, alisei, deixei ela me masturbar, brincamos muito, mas nada de eu comer e tirar o cabacinho. Bom no sábado ela estava novamente com as amigas, de saia dessa vez, e o tal primo, novamente chegou e dessa vez já foi direto falar com ela. Convidou pra sair. As amigas já sabiam que ela tinha dado os pegas, sairam de lado e la foi ela dar a voltinha com o novo amigo.

Ele a convidou pra dar uma volta de carro e notando ela de saia já estava louco. Foram para uma rua na saída da cidade e entraram em uma estrada canavieira, onde ele colocou uma música, desligou o carro e lá ficaram beijando, se tocando. Ele logo atacou a buceta cheirosa dela, levantando a saia, e meteu a mão dentro da calcinha, e notou ela muito molhada. Tirou a calcinha e viu o que queria ver e havia dito a ela que iria ver. Aquela buceta cheirosa, melada e louca pra ser comida.

Ela ali, no banco da frente do carro, sem calcinha e com saia levantada e beijando. Estava pronta. Ele deitou totalmente o banco, tirou a calça e ela viu novamente aquele pau enorme, duro, que ele a fez pegar. Já pelado ele colocou a camisinha e beijando foi por cima. Ela toda molhada, disse que ele começou a pincelar a buceta inteira.

Passando a cabeça no grelo e ela cada vez mais melada. E, como uma espada quente na manteiga, encostou na porta e foi entrando. Deitado por cima dela, ela tendo de abrir totalmente as pernas no banco da frente pode receber inteiro na bucetona virgem dela.

Beijando os peitos, a boca, começou a comer devagar e depois entrou inteiro. No que a buceta dela se abriu e engoliu tudo com gosto. Mesmo virgem ela adorou aquele cacete enorme e se acostumou com um pauzão dentro. Ele ficou em cima dela, indo e vindo até gozar.

Deixou ela na balada com as amigas, com a calcinha molhadinha, já não era mais menina e sim uma mulher descabaçada agora. Foi ao banheiro sentiu a xana inchada e quente e com tesão. Foi embora com as amigas e agora com história pra contar. Já havia sido comida.

Em casa se tocou, um pouco dolorida, mas louca de tesão e gozou pra ele de novo.
Em outra oportunidade conto a vez que ela deu de novo, sem eu saber , para outro amigo, de pau grosso e grande.

Mais lidas