Barman gostosão

Avalie

Fiz de tudo para chamar a atenção daquele barman: primeiro tentei ser educada, mostrar meu decote, me insinuar… Ele nem ligou… continuou trabalhando como se nada estivesse acontecendo. Falei que estava atrás de prazer imediato, se ele poderia me ajudar… Fui completamente ignorada. Então, resolvi apelar, comecei a brigar, a xingar e a chamar o gerente da balada. Depois de ele levar uma bronca, trocamos uma única frase:
– Você queria chamar a minha atenção? Conseguiu! Você vai ver o que te espera!
Fiquei preocupada, mas resolvi esquecer disso e curtir a balada, dançando até cansar… Maior parte das pessoas já havia partido quando eu decidi ir embora. Porém, no caminho para o caixa, senti um puxão no braço, que me obrigou a virar rapidamente. Era o barman, forte e lindo, mas com uma cara de raiva que me deixou um pouco assustada!
– Queria me ver, sua patricinha? Não estava feliz em beber com seus amigos riquinhos? Tinha que atrapalhar meu trabalho… Agora você vai ter o que queria!
Ele me arrastou até um canto escuro e começou a me beijar com violência… Um misto de medo e desejo tomou conta de mim, principalmente quando ele rasgou minha calcinha com um único puxão! Tentei impedi-lo, mas não conseguia… Ele era forte e, no fundo, eu estava gostando daquilo. Senti seus dedos invadindo minha intimidade enquanto ele mordia meu pescoço, me deixando toda marcada. Comecei a gemer baixinho, empolgada com essa situação.
– Era isso o que você queria, sua vadia? Um homem de verdade, não é? Não aqueles frouxos que você está acostumada!
Afastando minhas pernas, ele começou a me penetrar com vontade. Fazendo movimentos fortes, que me tiravam o fôlego a cada estocada. Senti um arrepio violento antes de explodir em gozo. Percebendo que eu estava gostando, ele passou a intensificar os movimento e, quando estava prestes a gozar, me colocou de joelhos, espalhando seu mel pelo meu rosto e seios… Sem dizer uma palavra ele se levantou e partiu. Eu fui para o banheiro, me arrumei e nunca mais tentei chamar a atenção de ninguém dessa forma.

Leia amanhã: “Apenas um programa?”

Mais lidas