Apenas um programa?

Avalie

– Olá, Pâmela?
– Sim, é ela. O que você deseja? Quem passou o meu contato?
– Isso não importa Pâmela! Ouvi falar bem de você e quero saber quanto cobra para um programa.
– São mil reais, sem beijo na boca, a noite toda, por quantas vezes você aguentar!
– Mil reais? E o que você faz?
– O que você quiser, já ouviu falar de garganta profunda? Pois é! Eu consigo engolir seu mastro inteirinho! E isso é só o começo… Conhece pompoarismo? Uma noite comigo e nunca mais você vai querer outra mulher na sua vida!
– Hummm.. Fale mais sobre isso, pompoarismo?
– Sim, é um treinamento sexual intenso, posso prender você pelo tempo que eu quiser, e sem usar as mãos… Entendeu?
– Isso parece promissor! E as fantasias, podemos realizar?
– Claro, sou sua puta, senhor, mas posso ser sua enfermeira, sua massagista, sua professora, sua
dominadora… O que precisar!
– Quero ser bem conduzido! Pagar o que você pedir, mas ter a certeza de uma noite completa de prazer…
– Onde te encontro, e em quanto tempo?
– Em meia hora, próximo à praça central. Vou estar com um vestido preto bem curto e decotado, botas longas e uma bolsa vermelha. Até já.
Desliguei o celular e fui me trocar… Esse cliente seria mais do que especial, e queria garantir que a noite dele fosse perfeita. Pronta, corri para a praça e aguardei por alguns minutos até que a BMW parou do meu lado. Com um único olhar dele eu sabia que deveria entrar no carro, e já me preparei para uma noite espetacular. Fomos para o melhor motel da cidade e, já no caminho, dei uma amostra do que estava por vir: abri sua calça, segurei seu membro grosso e muito cumprido, e comecei a chupá-lo. Conforme o prometido por telefone, colocava tudo na boca de uma só vez, engolindo aquela vara enorme e deliciosa. Chegando ao motel, exigi que ele se despisse e me esperasse na cama. Fui ao banheiro, coloquei uma cinta liga guardada especialmente para ocasiões como aquela e voltei para o quarto. Cuidadosamente o algemei na cama, para que ele não pudesse reagir, e então comecei a provocá-lo intensamente… Primeiro com beijos no pescoço, na nuca e no peitoral… Alguns arranhões na barriga, mordidas na coxa e tapas, na cara e na lateral do bumbum. Ele era meu e faria tudo que eu quisesse, era por isso que estava pagando. Deitei sobre ele, esfregando meus seios em sua cara, permitindo que mordesse levemente os meus mamilos… Ajoelhada próxima ao seu rosto, ofereci meu sexo para que ele chupasse enquanto eu gentilmente acariciava suas bolas… Não era só por dinheiro que eu estava ali. Também era por tesão… Eu gostava do que estava fazendo… Já excitada, sentei sobre sua vara rígida e comecei a rebolar intensamente. Em pouco tempo, sentindo que ele iria gozar, me levantei e fiquei apenas observando, enquanto me tocava, esperando que as coisas esfriassem um pouco! Ele estava maluco, implorava por mais… Me xingava de puta, de safada, falando que eu não podia deixá-lo daquela forma… A minha reação foi voltar a me ajoelhar sobre seu rosto, e fazer com que ele utilizasse a língua para algo mais interessante do que falar! Com força, sua língua invadia minha gruta, me arrancando gemidos e me enchendo de tesão… Em pouquíssimo tempo eu gozei, fazendo com que ele ficasse ainda mais empolgado e agitado! Soltei suas algemas, olhei em seus olhos e falei:
-Agora é sua vez!
Enlouquecido, ele me colocou de quatro e começou a me comer com muita força! Puxando meus cabelos, me dando tapas na bunda e gritando de prazer, ele estava completamente fora de controle. Eu sentia suas pernas tremendo, tamanho o tesão que ele sentia. Não demorou para que ele também chegasse ao orgasmo, e caísse exausto ao meu lado. Ficamos abraçados por um tempo, tomamos um banho e transamos mais algumas vezes durante a noite. Depois, deitados na cama, conversamos até o nascer do sol.
– Pâmela, posso te chamar pelo seu nome de verdade? – Ele perguntou enquanto acariciava meus cabelos.
– Claro amor, a fantasia acabou!
– Cris, precisamos fazer isso mais vezes. Foi perfeito!
– Eu falei para você! A fantasia de garota de programa ia tirar nosso casamento da rotina…
– Agora, me chama de Pâmela de novo, se comporte como um bom cliente e vamos fazer de novo antes de irmos embora…

Leia amanhã: “Saque rápido”

Mais lidas