Desodorante vaginal: quando ele é útil?

Avalie

O uso de desodorante vaginal no Brasil ainda é pequeno. Como ele nem sempre é acessível, ou há a desinformação sobre seu uso, além dos preconceitos, muitas pessoas não conhecem o produto.

Segundo a fabricante de produtos de cuidados pessoais Combe, nos Estados Unidos são vendidos 12 milhões de desodorantes íntimos por ano. No nosso país, é mais popularizado o uso de sabonetes íntimos. O Brasil só perde para a Itália em consumo mundial de sabonetes para a região.

Desodorante1-Thinkstock_e_Getty_Images

Foto: Thinkstock/Getty Images

É importante entender que a vagina tem odores próprios, naturais, gerados pela ação de bactérias da flora da região. Ela mantém o local em equilíbrio e são notados apenas com a proximidade ou com o toque. Seus principais agentes são lactobacilos conhecidos como Doderlain.

Um cheiro mais forte, notado sem a aproximação da região, pode ser causado por uma inflamação da vagina (corrimento e coceira) ou da vulva. Nesse caso, é necessário buscar um ginecologista e fazer tratamento específico.

_______________________________________
Leia mais:

Higiene pessoal: t ire suas dúvidas sobre o assunto

Conheça os tipos de depilação e seus benefícios
_______________________________________

Segundo a ginecologista e obstetra pela Universidade de São Paulo (USP) Patrícia Varella, o risco de alergia ao desodorante íntimo é raro caso o produto tenha ph neutro. A recomendação vale também para mulheres grávidas. Os produtos para área devem ser evitados em caso de lesões e ferimentos na região vaginal, em que se deve buscar tratamento, e após o término dele, combinar com o médico o uso dos produtos.

Fora desses problemas, o uso é liberado, inclusive na menstruação, como complementação da lavagem da região com água. Entretanto, a ginecologista pede que se evite o exagero: “não vejo necessidade de que o desodorante íntimo seja usado mais que 3 vezes ao dia (manhã – tarde – noite) ou após as micções/evacuações.”

Foto: Thinkstock/Getty Images

Foto: Thinkstock/Getty Images

Sabonete x desodorante

A Dra. Patrícia Varella explica que as finalidades do sabonete íntimo e a do desodorante íntimo são as mesmas de um sabonete corporal e um desodorante axilar para o corpo. Um serve para limpar e o outro para prevenir a formação de eventuais odores, protegendo ao longo do dia.

O sabonete íntimo é um produto mais usado no banho. O desodorante íntimo é mais fácil de ser usado fora de casa nos inúmeros momentos do dia a dia da mulher ativa. Aliados eles ajudam a manter a região genital limpa e o odor normal dela, imperceptível em condições habituais.

Dicas para evitar odores

Algumas dicas extras indicadas pela ginecologista ajudam a minimizar os odores vaginais, caso a mulher se sinta constrangida e incomodada:

– Privilegiar o uso de roupa íntima de algodão.
– Evitar ao máximo o uso de absorventes diários. O tecido do protetor em contato com a região genital propicia que as bactérias causem mais odor.
– Após urinar, se possível, higienize a região com um chuveirinho. O mesmo vale após evacuar, porém, nesse caso, deve-se jogar água na direção contrária da entrada da vagina. Caso não seja possível, use o papel higiênico, de preferência macio, sempre tomando o cuidado de passar o papel da frente para trás. Para finalizar a higiene, use um desodorante íntimo, neutro.
– No período menstrual, trocar o absorvente externo ou interno a cada 3 ou 4 horas.
– Após ter relações sexuais, lavar pequenos e grandes lábios vaginais no banho. Nessa ocasião, também é possível finalizar a higiene com o uso do desodorante íntimo, neutro.
– Ter uma alimentação saudável e balanceada.
– Combater o stress, uma vez que ele prejudica a imunidade e a flora vaginal normal.

Serviço

Desodorante íntimo Vagisil 60ml – Preço: Entre R$16 e R$18
Desodorante íntimo Racco 100ml – Preço: R$38,90
(Preços encontrados em fevereiro de 2015)

Mais lidas