Toxoplasmose na gravidez

Toxoplasmose na gravidez

Foto: Glow Images/Latinstock

Na gravidez, é preciso tomar cuidados extras com doenças, manter uma boa alimentação e acompanhamento médico. Quem gosta de conviver com animais, em especial gatos, deve se prevenir ainda mais para não pegar a toxoplasmose, popularmente conhecida como “doença do gato”.

No entanto, isso não quer dizer que mulheres grávidas não podem ter contato com gatos, já que o contágio não é através do toque. Grávidas podem sim conviver com seus animais de estimação desde que tomem alguns cuidados, principalmente com relação à higiene. Veja algumas dicas para se prevenir e entender melhor a doença:

O que é?

A toxoplasmose é uma doença causada pelo parasita Toxoplama Gondii. Na maioria dos casos, é transmitida pelo contato com urina e fezes de gatos. A contaminação pode ocorrer pela ingestão de carnes cruas ou mal cozidas que estão infectadas. “O gato é o hospedeiro definitivo do Toxoplasma. O hospedeiro definitivo é aquele que abriga o parasita até a fase adulta, ou seja, quando ele é capaz de se reproduzir e eliminar no ambiente oocistos (filhinhos do parasita)”, revela Elaine Pessuto, diretora clínica e coordenadora do curso de Auxiliar Veterinário do CETAC.

Riscos

A toxoplasmose pode trazer muitos problemas para a gravidez: abortamento, má formação do feto, retardo mental, lesões de pele, entre outros fatores graves. Para descobrir a doença, é necessário realizar exames de sangue, já que muitas pessoas não apresentam os sintomas.

Como evitar a doença?

Dra. Elaine afirma que a gestante não precisa doar o gatinho para evitar a doença: “Nem todo gato possui o parasita, assim podemos fazer exames no felino para saber se ele é portador. Mas mesmo que ele seja, será capaz de eliminar os oocistos no ambiente por 15 dias durante toda a sua vida, ou quando ele estiver com alguma doença imunossupressora como Aids ou câncer. Mesmo que o animal esteja eliminando esta forma do parasita, esta precisa necessariamente ficar exposta no ambiente por mais de 24 horas para se tornar infectante, ou seja, com a capacidade de causar problemas”.

Conselhos para a gestação

A ajuda de outras pessoas é essencial para conviver em paz com seu gato. “É bom pedir para que outra pessoa limpe a caixa de areia do seu gato. Se não for possível, ela deve fazer com o uso de luvas de látex descartáveis e de preferência duas vezes por dia. Uma gestante jamais deve ingerir carne crua, nada de carpaccio, kibe cru ou carne mal passada”, completa Elaine.

No período de gestação todo cuidado é pouco. Portanto, fuja dos alimentos crus e vá ao médico com freqüência!

Consultoria: Elaine Pessuto, diretora clínica e coordenadora do curso de Auxiliar Veterinário do CETAC – Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia. www.cetacvet.com.br

 

 

Mais lidas