Saiba o que é o vitiligo

Saiba o que é o vitiligo

Foto: Thinkstock/Getty Images

A pele é o maior órgão do corpo humano e, como qualquer outra parte do organismo, está sujeita ao aparecimento de doenças. Por mais que se tenha cuidados com a saúde, há enfermidades que surgem sem um motivo aparente; caso do vitiligo. “A causa do vitiligo ainda é desconhecida e é mais provável que seja autoimune”, afirma a dermatologista Érica Monteiro.

O que é?

O vitiligo caracteriza-se pela despigmentação da pele, pois há uma perda de melanócitos, que são as células que produzem a melanina, substância que dá cor à pele. “O problema primário é a pigmentação, por isso não se observa alterações no relevo, nem na textura, a não ser que o paciente sofra alguma lesão no local”, explica a especialista. Com a falta de pigmentos, surgem manchas brancas nítidas na pele. Não há uma região específica para o aparecimento, mas há uma propensão por orifícios, como a região dos olhos, nariz, boca, umbigo e genitália, além de extremidades, como as mãos e os pés. As lesões podem ser isoladas ou espalhadas pelo corpo. A doença não é contagiosa, não traz nenhum mal à saúde e pode surgir em qualquer idade, independentemente do sexo. Estima-se que até 2% da população mundial tenha a doença.

As lesões são mais perceptíveis em indivíduos de pele escura e podem ser inaparentes na pele clara, ou até que ocorra bronzeamento na pele normal circundante. Isso porque a pele normal bronzeia e a doente não, acentuando o contraste da área. Dependendo da região onde as manchas aparecem e do tom de pele da pessoa, surge o desconforto, por razões estéticas. A despigmentação total, isso é, de toda a pele do corpo, pode acontecer pela própria evolução da doença. Porém, não é comum.

Afinal, não tem o porquê?

Dizer que a doença é autoimune significa que algo no organismo é produzido contra substâncias naturalmente presentes nele. No caso do vitiligo, os melanócitos são destruídos. O que falta descobrir de fato é  por que e como surge essa autoimunidade. Alguns especialistas acreditam que o alto estresse contribui para o aparecimento. O vitiligo também pode estar associado a outros problemas como lúpus e tireoidites, pois são igualmente doenças autoimunes, e pessoas que já sofrem alguma doença dessa natureza são predispostas a outras do mesmo tipo.

Diagnóstico

O laudo médico só é possível por meio de exame clínico. De acordo com Érica, quando há dúvida, é feita uma biópsia do local da mancha. Sob anestesia local, retira-se um fragmento de pele e, ao ser examinado em microscópio, verifica-se a ausência ou não dos melanócitos.

Tratamento

Segundo a dermatologista, o tratamento costuma ser difícil, pois as lesões podem ser resistentes, e o sucesso depende de cada caso. A fototerapia é o tratamento mais utilizado. Consiste na exposição do paciente ao sol após usar substâncias fotossensibilizantes que estimulam a pigmentação pelos melanócitos que ainda existem. O uso de corticoide, um imunomodulador, é bastante comum para tratar a doença.

Quando as lesões são pequenas, pomadas à base de corticoide e outros imunomoduladores podem dar bons resultados. Os medicamentos tópicos são imunossupressores, que fazem com que as células do sistema imunológico não “ataquem” os melanócitos. Já nos casos em que as manchas se alastram rapidamente, é necessário o uso de corticoides via oral.

“Novas terapias têm sido propostas como o uso de técnicas de enxerto, que é trazer melanócitos de áreas pigmentadas saudáveis para a área doente do próprio paciente, associadas aos tratamentos já consolidados”, destaca a especialista.

Cuidados

Quem tem vitiligo precisa ter atenção com a pele, porém nada muito diferente dos cuidados básicos. Por isso:

– Tome sol com moderação, por períodos curtos, usando protetor solar com Fator de Proteção Solar (FPS) 30, no mínimo;

– Evite a exposição entre 10h e 16h, período em que a radiação é mais intensa;

– Reaplique o protetor solar a cada duas horas, especialmente se estiver na praia ou na piscina;

– Hidrate a pele normalmente. O portador de vitiligo não precisa de hidratantes nem de sabonetes especiais.

 

Consultoria: Érica Monteiro, dermatologista

 

Sua saúde

 

 

Para conferir mais dicas, adquira a revista Sua Saúde – já nas bancas!

 

 

 

 

 

 

Mais lidas