Nova laqueadura sem cirurgia

Nova laqueadura sem cirurgia

  

Essa novidade não precisa de cirurgia: no ambulatório, o médico faz o necessário

Problemas de saúde, idade mais avançada, filhos crescidos… São vários os motivos que levam uma mulher a optar por não querer mais engravidar. Com o avanço da medicina, novos métodos podem auxiliar você nesse caso, como o Essure, um procedimento definitivo e irreversível.

Como é feito

O Essure é um dispositivo semelhante a uma pequena mola. Ele é colocado no interior da tuba uterina, ligada ao útero, causando o seu fechamento. Ele não contém medicamentos ou hormônios. Sua ação é mecânica, provocando uma reação no tecido da tuba que faz com que ela se feche.

As indicações do uso do Essure seguem a legislação da laqueadura. Pela lei brasileira, podem realizar a ligadura tubária mulheres com mais de 25 anos e/ou aquelas com, pelo menos, dois filhos vivos, que desejam método contraceptivo definitivo após conhecerem todos os outros disponíveis.

As contraindicações são mínimas: mulheres grávidas, com algum tipo de infecção e aquelas que não têm certeza se desejam, mesmo, terminar sua fertilidade.

  

Procedimento

A aplicação do Essure é muito simples. O ginecologista introduz um aparelho extremamente fino (histeroscópio) pelo canal da vagina até o útero e coloca um dispositivo
em cada tuba.

O procedimento é ambulatorial, não necessita de anestesia e dura, em média,
de 5 a 10 minutos. A mulher é liberada imediatamente e volta para casa, sem necessidade de repouso.

Outra vantagem é que não existe qualquer tipo de corte. Durante a aplicação, o único desconforto é que pode ocorrer dor como se fosse uma cólica menstrual. Se a paciente desejar, o procedimento pode ser acompanhado por familiares, juntos dela, por um monitor.

O Essure é considerado vantajoso quando comparado à técnica tradicional. “A laqueadura realizada por laparotomia ou laparoscopia é uma cirurgia no centro cirúrgico, com incisões (cortes) de vários tipos, necessitando de internação, uso de anestesia e repouso por um tempo variável após a sua realização”, explica a ginecologista Daniella Depes.

  

Cuidados posteriores

É preciso esperar três meses para que o Essure tenha o efeito desejado. Durante esse período, a paciente deverá manter o método contraceptivo que utilizava anteriormente para não correr o risco de engravidar. Ao completar três meses, deverá realizar uma radiografia simples da pelve (região que engloba o útero) para checar se o dispositivo está na localização correta. Em caso afirmativo, a mulher poderá confiar apenas no Essure e abandonar o outro método.

Mas é preciso lembrar que não existe nenhum contraceptivo 100% eficaz. “A falha desse dispositivo é de 0,26%, que é 7 a 14 vezes menor que as outras técnicas de ligadura tubária”, alerta a especialista.

  

Custos

A implantação do Essure terá cobertura pelos convênios médicos pois, desde 2008, toda mulher tem o direito de realizar procedimentos de laqueadura pelo plano de saúde. Para paciente particular, o valor é acordado com o médico, já que o método não utiliza centro cirúrgico. Já existem vários projetos em andamento junto ao SUS e prefeituras de todo
o Brasil para garantir a gratuidade desse procedimento.
A implantação do Essure pode ser realizada em todo o País. Mais informações: 0800 114955.

Quem fez aprovou

Confira o depoimento de duas pacientes que se submeteram a essa técnica e estão satisfeitas.

Texto: Giovana Sanches
Consultoria: Daniella de Batista Depes, ginecologista e chefe do setor de endoscopia ginecológica do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo.

Foto:

Mais lidas