Dor nos ossos: conheça pistas que indicam se é osteoporose

Dor nos ossos: conheça pistas que indicam se é osteoporose 

Quem pensa que essa doença só atinge pessoas de idade avançada está muito enganado. Dores crônicas na coluna podem indicar problemas mais sérios do que simples frutos da má postura. De acordo com o endocrinologista e membro do Departamento de Metabolismo Ósseo e Mineral da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), João Lindolfo Borges, o sintoma pode indicar ossos multifraturados, como resultado de uma osteoporose instalada.

A doença
É caracterizada pela redução da quantidade e da qualidade da massa óssea. Por ser silenciosa, é perigosa e pode não apresentar nenhum sinal antes de provocar as primeiras microfraturas.
nAlém disso, estudos apontam que as fraturas causadas pela osteoporose podem aumentar em até 8 vezes a taxa de mortalidade.

Grave silêncio
É comum pacientes apresentarem traços avançados da doença já na primeira consulta.
“Infelizmente as pessoas não imaginam que é possível já estar com os ossos fraturados, sem sentir nenhum sinal antes”, afirma João Lindolfo Borges.

Fraturou? Fique atenta!
Poucas pessoas têm consciência de que a doença provoca fraturas. De acordo com um recente estudo feito pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) em parceria com a Faculdade de Saúde Pública da USP, cerca de 85% dos homens e 70% das mulheres que já haviam apresentado fratura por fragilidade óssea desconheciam que a mesma tinha sido causada pela osteoporose.

Grupos de risco
– Quem possui idade avançada
– Pessoas de baixo peso
– Indivíduos da etnia branca
– Quem tem histórico da doença na família

Amigos da osteoporose
– Consumo de fumo
– Sedentarismo
– Ingestão regular de bebidas alcoólicas
– Alimentação pobre em cálcio
– Baixa exposição à luz solar

Hábitos preventivos
– Ter uma dieta rica em cálcio
– Manter atividade física regular
– Evitar o consumo de álcool e fumo

Quem apresenta as características do grupo de risco e/ou mantém os hábitos que contribuem para o surgimento da doença deve realizar exames periódicos.Um exame preventivo simples e indolor, que pode detectar a osteoporose, chama-se densitometria óssea, uma espécie de “radiografia” do corpo.

Tratamento simples
Nos últimos anos, a medicação tem evoluído bastante, trazendo mais conforto aos pacientes. Remédios antes administrados diariamente já podem ser ingeridos semanal ou mensalmente.

Atenção, mulheres!
Pessoas do sexo feminino são maioria no grupo de risco. “No Brasil, cerca de 30% das pessoas do sexo feminino são acometidas pela osteoporose no período pós-menopausa. Nessa fase, os níveis de estrógeno, hormônio produzido no ovário e responsável pela fixação do cálcio, ficam bastante baixos e essa deficiência hormonal contribui para a evolução da doença”, explica o endocrinologista.

Textos de Renacha Batista
Consultoria: João Lindolfo Borges, endocrinologista e membro do Departamento de Metabolismo Ósseo e Mineral da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).
Fonte: Secretaria de Estado da Saúde (SP)
Fotos Glow Images/Latinstock

Mais lidas