Guia da pílula: tire suas dúvidas sobre o anticoncepcional

Guia da pílula: tire suas dúvidas sobre o anticoncepcional  

Como a pílula impede a gravidez?

A pílula impede as oscilações hormonais que levam à ovulação, altera o muco do colo do útero, dificultando a passagem de espermatozoides, e deixa o endométrio inadequado para a implantação do óvulo.

Como a pílula do dia seguinte atua no organismo?

Para entender a pílula do dia seguinte, temos que entender que o ciclo menstrual obedece a um regime hormonal preciso, que culmina com a ovulação. Após a menstruação, os hormônios se mantém por 14 dias e a mulher não engravidando, estes níveis caem e a menstruação aparece. Com a queda dos hormônios produzidos pelo ovário, o endométrio (camada do útero que recebe o embrião) não tem como se sustentar e é eliminado. O sangue vem dos vasos que nutrem o endométrio. Com o inicio de um novo ciclo, os hormônios induzem a formação de novo endométrio, os vasos são cobertos e o sangue menstrual pára de ser eliminado.Com a pílula do dia seguinte, é aportado uma quantidade aumentada de um hormônio derivado da Progesterona, em dose única. Quando este nível hormonal artificialmente elevado cai no sangue, uma menstruação é induzida, não dando tempo do embrião, que teria se formado pela relação sexual desprotegida, consiga uma cavidade uterina receptiva a seu implante e gravidez.

Quem não pode tomar pílula?

Segundo a Organização Mundial da Saúde, as contraindicações para o uso da pílula combinada (com estrogênio e progesterona) são hipertensão grave ou associada a doenças cardiovasculares, trombose venosa profunda, embolia pulmonar, derrame, doença cardíaca, diabetes de longa duração, insuficiência hepática, tumores, ter mais de 35 anos e fumar 15 ou mais cigarros por dia, ter mais de 35 anos e apresentar diabetes e hipertensão, ter sangramento vaginal de causa desconhecida, estar nas primeiras seis semanas da amamentação ou ser portadora  de doença autoimune que não permita o uso de hormônios.

As polêmicas que surgem com a pílula anticoncepcional

A pílula anticoncepcional, desde a sua invenção sempre foi alvo de polêmicas. “Você está tomando um hormônio, e com hormônios não se brinca, falavam sempre.”

Talvez as primeiras pílulas pudessem ter diversos efeitos colaterais, o que impediu muitas mulheres de utilizar o método.

Hoje, para se ter uma idéia, as modernas pílulas tem uma quantidade hormonal de 10 a 20 vezes menor que as pioneiras.

Além da quantidade, estudou-se também uma variação de compostos hormonais, que fizeram com que as pílulas modernas apresentem poucos efeitos colaterais.

Com a diversidade de pílulas no mercado, com doses e compostos diferentes, podemos adaptar a medicação a cada tipo de paciente, diminuindo os efeitos indesejados. A mulher pode se beneficiar de um método considerado seguro. A pesquisa reforça ainda a idéia que os ginecologistas já têm da pratica do dia a dia.

As pílulas anticoncepcionais alteram a produção dos hormônios que vem da hipófise, fazendo com que o ovário não seja estimulado a trabalhar, com isto não há a ovulação.

Podemos utilizar estes compostos, além da contracepção, para por exemplo inibir a menstruação de uma mulher, que não deseje mais menstruar. Podemos prolongar ou encurtar ciclos, para aquelas que desejam em determinadas épocas(viagem , casamento) não estarem menstruadas.

Podemos utilizá-las como tratamento para determinadas doenças, como a endometriose. Pílulas especificas podem diminuir sintomas  de excesso de hormônio masculino, que produz aumento de pelos e acne.

Outras tem em sua composição,  determinado hormônio que tem efeito diurético, evitando que a mulher retenha líquido com o uso do anticoncepcional.

A pílula do dia seguinte também deve ser considerada uma revolução, pois é utilizada , em uma falha de um método como a camisinha, ou em coito desprotegido, ou mesmo em erro da tabela. Tomada até 48 horas impede a gestação na maioria dos casos. É claro que deve ser usada sob orientação médica.

Atualmente está em andamento o lançamento de uma pílula que poderá ser usada até 7 dias após a relação desprotegida.

Temos pílulas direcionadas para o período de aleitamento, com uma substância que não afeta o bebê, e consegue evitar uma concepção neste período.

Enfim, a pílula anticoncepcional  provocou uma revolução nos costumes, e principalmente, proporcionou uma  liberdade sexual para  a mulher .Ela trouxe uma igualdade entre os sexos,sem o fantasma de uma gestação indesejada .

Temos apenas que recriminar certos segmentos da sociedade,  que , ainda com hipocrisia, evitem a disseminação em massa do uso do contraceptivo. Grande parte das mazelas de nossa sociedade poderia ser resolvida com uma política, eficiente e séria de planejamento familiar.

Texto: Aline Mendes
Foto: PurestockX/Diomedia

Mais lidas