Atitudes que estimulam o machismo nas crianças

Já se foi a época em que o sexo feminino era considerado frágil, oprimido e submisso: hoje, as mulheres conquistaram mais respeito e espaço em diversos setores da sociedade. Porém, o machismo ainda está presente no dia a dia, seja no círculo familiar, nas ruas ou no ambiente de trabalho. Para que a sociedade reverta essa situação, uma das principais mudanças necessárias está na forma como as crianças são educadas. É preciso ensiná-las a aceitar e respeitar as diferenças. E você, como está criando seus filhos? Conversamos com o psicólogo Breno Rosostolato, que falou sobre algumas atitudes rotineiras da criação tradicional que podem fazer com o que seu filho cresça com resquícios de machismo no modo de encarar a vida. Confira!

8. Querer que seu filho seja um "machão"

pai e filho caminhando

Foto: Vinícius Tupina/Shutterstock Images

"Muitos pais, com uma visão errada sobre educação sexual, acabam privilegiando os meninos em relação às meninas e este é um grande erro. Os meninos acabam crescendo atrelados à cultura do 'machão', que cria conceitos e estereótipos de como os homens devem ser: não podem dispensar mulher nenhuma e precisam ser sempre viris. Existe uma constante preocupação com o pênis e a ereção e falhar é inadmissível. Os 'machões' não podem demonstrar fraquezas e devem estar sempre no controle. Porém, os homens de hoje dão sinais evidentes de cansaço e insatisfação em manter este papel masculino. O ideal é que os pais ofereçam a mesma liberdade a ambos os sexos para que os filhos possam crescer reconhecendo que possuem necessidades e que ser sensível, frágil e amoroso também é direito do homem. Assim como as mulheres são fortes, líderes e autônomas, sem arbitrariedades e violência."

1. Diferenciar brinquedos "de menino" e "de menina"

menino brincando

Foto: Thinkstock/Getty Images

"Essas divisões não existem para as crianças. As diferenças de sexo e gênero são aprendidas no decorrer do seu próprio desenvolvimento e, portanto, essa separação cria uma mentalidade preconceituosa desde muito pequenas. Os brinquedos podem ser tanto de um quanto de outro. É importante fortalecer a autonomia dos pequenos e não reprimir suas vontades", ressalta o psicólogo.

2. Incentivar somente as meninas a ajudarem nas tarefas domésticas

mãe e filha cozinhando

Foto: Thinkstock/Getty Images

"Um erro muito comum é considerar que as mulheres devem se ater às tarefas domésticas, isentando a responsabilidade dos homens. É preciso ensinar que ambos devem ajudar os pais e participar das tarefas igualmente. O papel de ensinar esse comprometimento é dos pais ou responsáveis."

3. Não se importar com as namoradas do filho, mas dizer que a filha tem que se guardar

namorados

Foto: Shutterstock Images

"Outra distorção de uma cultura patriarcal que se baseia na hegemonia dos homens. Os pais devem se preocupar em dialogar com os filhos e manter a mente aberta para falar sobre sexo com eles. Muitos pais são negligentes porque tiveram uma educação sexual mais tradicional, mas é importante que esse tipo de conversa exista. Meninos e meninas devem adquirir confiança e responsabilidade para reconhecer seus próprios limites."

4. Incentivar a liberdade sexual apenas dos meninos (dando camisinha, por exemplo)

menino segurando camisinha

Foto: Mariana Bononi/Colaboradora

"É preciso defender o culto da igualdade e libertar as mulheres desse tipo de pensamento. O sexo, o prazer e o orgasmos são direitos das mulheres e dos homens, sem restrições ou impedimentos. Deve-se respeitar o outro. De outra forma, os pais acentuam a repressão nas meninas e deturpam os meninos com o pensamento de que eles podem tudo."

5. Ensinar que uma mulher só fica completa quando casa e tem filhos

família feliz

Foto: Thinkstock/Getty Images

"Essa ideia equivocada cria nas meninas um sonho fantasioso do que elas precisam ter para serem felizes e que precisam, inclusive, dos filhos e do casamento para serem completas.Porém, tanto as meninas quanto os meninos devem ser ensinados a se amarem, se valorizarem e, assim, não criarem expectativas. Ambos precisam se sentir seguros e confiantes para fazerem as escolhas que acharem convenientes."

6. Utilizar frases como "não saia com essa saia, quer chamar a atenção?"

mulher de saia curta

Foto: Thinkstock/Getty Images

"Esse é um grande absurdo. O corpo é privado e não público e, portanto, as pessoas têm total liberdade de se vestirem como quiserem. Esse tipo de frase acentua a repressão e atribui à mulher a culpa de sofrer abusos por parte dos homens, sendo que ela não tem culpa alguma. É preciso romper esses paradigmas urgentemente."

7. Dizer que a menina deve "se comportar como menina"

menina pensando

Foto: Shutterstock/Images

"Não existe um jeito de meninos ou meninas se comportarem. É preciso que a criança compreenda que deve ser educada e se comportar adequadamente em determinados locais, mas que não há um comportamento típico. Esses estereótipos de a mulher ser submissa e obediente são limitadores e devem ser revistos. A mulher deve ter autonomia e se sentir segura."

SAIBA MAIS
Seis dicas para manter os filhos na rotina escolar
Como mudar os hábitos alimentares das crianças

Mais lidas