Entrevista com Selton Mello

Selton Mello não quer o título de o “rei do cinema brasileiro”. Apesar de, cada vez mais atuar em filmes, o ator surpreende ao dizer que sente saudade de fazer novelas. Selton até cogitou a ideia de participar de Avenida Brasil, próxima novela das oito, que vai estrear em abril na Rede Globo. Porém, como Selton mesmo disse, não tinha um papel adequeado para ele interpretar: “não rolou porque não tinha personagem”. Enquanto a reestreia nas telinhas não acontece, o ator curte mais um lançamento de um filme. Chega oas cinemas Billi Pig, filme que SeltonMello estrela ao lado de Grazi Massafera. Aliás, Selton é só elogios quando o assunto é a atriz: “é lindo o que a Grazi faz no filme!”. Confira a superentrevista:

 

Entrevista com Selton Mello

Foto: Marcio Nunes / Rede Globo

 

Guia da TV: Como foi para você fazer duas temporadas de Mulher Invisível?
Selton: “Foi ótimo fazer junto com a Luana e com a Débora.”

 

Guia da TV: A Débora está em Avenida Brasil e a Luana está grávida. Tem possibilidades da série a Mulher Invisível voltar?
Selton: “A Débora é uma atriz maravilhosa. É uma das melhores atrizes que a gente tem! É difícil dizer que não. Mas com certeza este ano, não terá. A Débora está na novela e a Luana vai ter um filho daqui a pouco. Então, este ano não tem. Mas eu acho difícil, porque deu uma esgotada. Teve o filme, depois a série. Mas quem sabe o ano que vem, as pessoas ficam animadas?”

 

Guia da TV: Essa decisão de ficar longe das novelas é pra ter mais tempo para se dedicar ao cinema?
Selton: “Muito pelo contrário! Eu estava doido pra fazer esta novela do João Emmanuel Carneiro. Mas eu dei azar porque não tinha o personagem adequado. Ofereceram-me dois personagens, mas um era muito novo e o outro eu teria três mulheres. Ai eu falei que não dava… Porque eu acabei de fazer uma série que eu tinha duas. E agora uma novela que eu tenho três é muito parecido.”

 

Guia da TV: E porque esta vontade de voltar a fazer novela?
Selton: “Não é uma coisa muito específica. A gente foi muito feliz na série A Cura. Foi um dos trabalhos que eu mais gostei de fazer na tevê. Belíssimo trabalho de direção de Ricardo Waddington e de texto de João Emanuel Carneiro. Eu cheguei a comentar com o João: ‘Pô, quando tiver essa novela, eu acho que vou me animar, não faço uma há mais de dez anos!’. Mas não rolou porque não tinha personagem.”

 

Guia da TV: E você não pensa em fazer teatro?
Selton: “Também tenho feito muito pouco. Acho que já faz mais de cinco anos que eu não atuo no teatro. Mas é por falta de tempo para me dedicar. Textos bons têm, desde os clássicos, até muita coisa contemporânea. Muita gente boa escrevendo coisas. Mas falta querer isso.”

 

Guia da TV: Como você define a sua relação com o cinema?
Selton: “Eu o defino como o lugar onde eu encontrei para me expressar. Têm atores que se sentem bem no teatro e é ali que eles gostam de estar. Têm atores que fazem tevê. Eu encontrei no cinema, o lugar onde eu posso me expressar de maneira mais ampla.”

 

Guia da TV: Já tem previsão de fazer algum novo projeto?
Selton: “Olha, para dizer a verdade, eu tive. Aliás, estou tendo até um namoro. Mas eu ainda não posso dizer o que é. Talvez eu venha a fazer uma série na Rede Globo. Mas a gente ainda está pensando porque talvez eu faça um filme que cairá bem nesta data e isso atrapalharia um pouco.”

 

Guia da TV: Você está de estreia atrás de estreia…
Selton: “E aí parece que eu estou trabalhando muito, né? Na verdade eu não estou fazendo nada, eu estou um vagabundo. Eu não gosto disso e me desagrada o fato de ter um trabalho atrás do outro. Se eu pudesse ter algum controle, Reis e Ratos estrearia em maio e  Billi Pig em outubro. Um bem distante do outro. Mas olha só: Reis e Ratos eu fiz em 2009! Demorou para finalizar, levantar dinheiro e acabou que teve que esperar. O lado bom é que um não tem nada a ver um com o outro. Mas eu prefiro ficar mais quieto. Eu acho que eu fico exposto demais e isso não me agrada muito. Mas se foi assim que aconteceu, tudo bem. São trabalhos honestos, então está tudo bem! (risos)”

 

Entrevista com Selton Mello

Foto: Alex Palarea e Roberto Filho / AgNews

 

Guia da TV: O filme Billi Pig destoa bastante do filme O Palhaço, e dos outros filmes que você vem fazendo. Você está buscando pluralidade nos seus personagens ou é algo que vai acontecendo naturalmente?
Selton: “Na verdade eu acho que sempre procurei essa pluralidade nos personagens. Desde o início da minha história no cinema. Desde o Auto da Compadecida, em 1998. Desde lá eu procuro fazer algo bem comercial, intercalando com filmes mais radicais, como por exemplo, o Cheiro do Ralo,  de Heitor Dhalia.Na verdade eu sempre fiz isso.”

 

Guia da TV: Mas você acha que existe alguma semelhança entre os personagens de Billi Pig e O Palhaço?
Selton: “Não vejo nenhuma semelhança. O Wanderlei do Billi Pig é exuberante, ele fala faz golpes. E o Benjamim é suave, sem grandes arroubos.”

 

Guia da TV: Com qual desses dois personagens você mais se identifica?
Selton: “Mais com O Palhaço.”

 

Guia da TV: O que você fez para compor este novo personagem?
Selton: “Eu venho de uma experiência que me marcou demais que foi trabalhar com o Paulo José. Eu não saí ileso deste encontro. E uma coisa que a gente conversava muito, é que o cinema é arte de fazer menos. Eu estou muito obcecado por este negócio. Não pensei em nada, e não vi nada. Eu fui fazendo e seguindo o fluxo. Chegou mal humorado hoje, faça mal humorado. Chegou radiante, faça radiante esta cena. É assim que é a vida, e eu estou muito interessado em ser cada vez mais simples e transparente. Deixando cada vez mais espaço para o público completar o seu raciocínio. A sensação que eu tenho deste filme (Billi Pig), é o nascimento de uma grande atriz. Acho a Grazi Massafera extraordinária! E o que ela fez foi de uma coragem enorme! De uma grande habilidade que não é toda atriz que tem. E a gente ainda vai vê-la fazendo coisas bem bonitas. É lindo o que a Grazi faz no filme!”

 

Guia da TV: Você acha que agora o cinema está resgatando algumas coisas? Como por exemplo, os anos 20 e as chanchadas?
Selton: “Faz total sentindo o que você está falando. E O Palhaço está totalmente inserido neste imaginário. O Palhaço conversa diretamente com O Artista e a Invenção de Hugo Cabret. Mas eu não sei se vai ser uma tendência mundial. Talvez a gente esteja com saudades de alguma coisa que a gente não sabe o que é.  A gente vive em uma época doida, de solidão. Você fica ligado nas redes sociais, mas isso é uma forma de solidão também. Eu acho que parte do sucesso de O Palhaço tem disso. Um filme que fala de valores humanos, sinceros, pai e filho, relação com a sua profissão, a grandeza que você faz. Coisas nobres de espírito. ”

 

Guia da TV:  Já o Billi Pig fala muito de fé e de religião também. Você é um homem de fé?
Selton: “Eu sou um homem de fé! (risos) Eu sou um homem de fé no trabalho. Até porque é isso que o filme fala. É um filme sobre a fé e suas diversas manifestações.Eu, por exemplo, tenho fé no trabalho.”

 

Guia da TV: Você tem algum amuleto que considere da sorte? Faz algo antes de entrar em cena?
Selton: “Acho que um banho de sal grosso… (risos) Mas eu não tenho nada de superstição, não! Eu não tenho o menor problema com essas coisas. Eu passo em baixo da escada… sem problema!”

 

Guia da TV: E como você trabalha a questão do ego na sua profissão como ator?
Selton: “Eu faço isso desde criança e talvez isso me deixa mais esperto. Eu já vivi de tudo. Eu faço isso há 30 anos. Eu já fiz sucessos e já fiz fracassos. Eu já fui o homem do ano, eu já fui o pior ator do ano. Eu já fui considerado um  péssimo ator e eu já fui considerado “o ator” da minha geração. Então nada me surpreende. Você tem que saber lidar bem com o fracasso e com o sucesso. E se você souber fazer isso, você segue no seu trilho.”

 

Tags:

Mais lidas