Entrevista com o cantor Alexandre Pires

Entrevista com Alexandre Pires

Foto: Philippe Lima / AgNews

 

Alexandre Pires revelou as novidades de seu novo DVD gravado recentemente neste superpapo com a Guia da TV.  Para a alegria das fãs, os antigos membros do Só Pra Contrariar gravaram uma participação ao lado de Alexandre, que ficou emocionado com o reencontro. “Foi uma emoção muito grande, nossa e de quem estava ali assistindo”, revelou o cantor. Além dos pagodeiros, Sabrina Sato e Xuxa também marcaram presença no novo trabalho do pagodeiro ao lado de outros famosos. Além disso, Alexandre ainda falou sobre a carreira internacional e garantiu ser um homem de fé. “Eu me sinto cada vez mais religioso no sentido de acreditar que existe um ser muito superior à gente. E não adianta a gente ignorar isso. É importante a gente ter fé em alguma coisa”, revelou. Confira as outras declarações do cantor:

 

Guia da TV: Você retorna às raízes neste DVD e CD. Como é relembrar o Só Pra Contrariar depois de tanto tempo em carreira solo?
Alexandre: “Foi uma emoção muito grande, uma oportunidade de poder encontrar os meninos de novo e fazer um som. Coisa que a gente já queria ter feito há muito tempo, mas as circunstâncias da vida vão tomando um outro rumo. E esse foi um dos grandes momentos do DVD. Foi uma emoção muito grande, nossa e de quem estava ali assistindo. Por tudo o que o grupo representa até hoje. Inclusive, como o DVD foi uma apresentação fechada, você pode ter certeza de que tinha muito mais gente ali fã do grupo do que de mim (risos).”

 

Guia da TV: A sua história se mescla ao fortalecimento do pagode nos anos 90, junto a outras bandas como o Raça Negra, por exemplo. E o pagode de hoje, você acha que bebe da fonte dessas bandas de 20 atrás?
Alexandre: “Com certeza! Eu tive o privilégio de participar do DVD do Raça Negra e está lindo, eu recomendo. Dos convidados estavam eu, o Bruno do Sorriso Maroto, o Belo, o Michel Teló, toda essa moçada que tá fazendo esse som hoje, tanto do sertanejo quanto do pagode. Da galera ali eu era o veterano, digamos assim.  Mas eu acho que sim, inclusive eu até falo isso para o Luís no palco, na apresentação do DVD: que o Raça Negra foi o responsável por esse novo momento do pagode, do samba daquela época, do início dos anos 90.  Tem um monte de coisa boa e também tem um monte de coisa ruim, o que é normal em todo segmento, mas a maioria me deixa muito feliz, porque os que eu conheço e tenho intimidade, e ao mesmo tempo a gente convive, se fala, são artistas muito bacanas. É um momento muito interessante e muito promissor. O pagode e o samba são muito musicais… totalmente brasileiro e musical.”

Guia da TV: No DVD, há participações inusitadas, como Sabrina Sato de dançarina e Xuxa. Por que a escolha de artistas tão massivos, mas que não são propriamente do mundo da música?
Alexandre: “A Sabrina não cantou… Ela só encantou (risos). São pessoas que sempre acompanharam meu trabalho e gostam de mim. A Sabrina é uma pessoa muito querida. E é por isso que ela faz todo esse sucesso. Aí vem a galera da música: a Claudinha Leitte eu sempre quis fazer alguma coisa junto. Fiz uma música totalmente pensando na gente cantando. E a Xuxa foi assim, ela me ligou me convidando para fazer uma participação no Xuxa Só para Baixinhos e eu falei ‘eu vou, claro’. Aí depois eu liguei e falei ‘Não vou não. Eu só vou se você for no meu’ (risos). Aí ela ficou ‘como assim?’.  E aí ela ficou meio assim, mas duas horas depois ela confirmou. A coisa foi formando, a ideia do trabalho já existia. Estou bem feliz com tudo o que foi registrado, a gente conseguiu diferir esse trabalho dos anteriores, fizemos algo que foi diferente dos outros, mas ao mesmo tempo sem perder essa coisa do meu trabalho em si, mas com essa mistura nova, com essa batida, com pessoas novas, um palco diferente. Esse é o Eletrosamba. É o que a gente quis passar para as pessoas.”

Guia da TV: Depois de tanto tempo de estrada, como é a sua participação em um trabalho novo?
Alexandre: “Eu tenho uma equipe que embarca nas minhas loucuras, nas minhas ilusões (risos). Mas eu participo praticamente de tudo, é um trabalho em conjunto. Não sou uma pessoa individualista, sou seguro quando tem que ser e fico inseguro quando precisa também. Mas eu sempre participo, de todas as fases.”

Guia da TV: Você é um dos responsáveis por levar o nome do Brasil para o exterior, já que a sua carreira lá fora foi muito bem-sucedida. Como é ter isso como bagagem profissional e como é sentir o carinho de outros povos mesmo depois de ter voltado ao país?
Alexandre: “Eu não imaginava nada disso. Todas as possiblidades, tudo o que começou lá no início dos anos 90 até aqui. Mas eu sou uma pessoa muito determinada, e soube aproveitar as oportunidades que tenho na vida. Mas não esperava sair daqui e levar minha música pra fora. A carreira internacional é muito difícil, porém, é muito prazerosa quando você vê o resultado, o carinho do público. Mas eu não construí nada, não conquistei nada em relação a isso ainda.  A música brasileira é muito bem quista lá fora, eu apenas faço parte de um movimento musical, cultural, que é o movimento brasileiro, que faz um som lá fora. Mas estou longe de me tornar um exemplo, um representante ou algo parecido assim. Foi um trabalho feito com muita dedicação, muito esforço.”

Guia da TV: Você se considera um cara de fé?
Alexandre: “Muito! Cada dia, cada vez mais. Eu estou com bolhas nos dois pés, acabei de voltar de Romaria. Todo ano faço caminhada. A gente caminha 90 quilômetros até a cidade de Romaria. A minha família é uma família católica, respeito todas as religiões. Eu me sinto cada vez mais religioso no sentido de acreditar que existe um ser muito superior a gente. E não adianta a gente ignorar isso. É importante a gente ter fé em alguma coisa.”

 

Mais lidas