Entrevista com Gaby Amarantos

Ela saiu da periferia de Belém do Pará para conquistar o país. Depois de 18 anos de carreira, chegou a vez de Gaby Amarantos brilhar! A cantora é a responsável pelo hit Ex May Love, música da abertura de Cheias de Charme, novela das sete da Rede Globo. Gaby começou a cantar aos 15 anos em uma igreja e com 18 anos se apresentava cantando MPB nos bares e casas noturnas de sua cidade. Hoje, a cantora é referência quando o assunto é tecnobrega, já foi elogiada por cantores consagrados como Ivete Sangalo e é comparada à cantora americana Beyoncé. Apesar do repentino sucesso, Gaby continua com os pés no chão e acredita que hoje colhe os frutos que plantou no passado:  “é um sucesso que vem de uma batalha de mais de 18 anos de trabalho”. Confira o bate- papo:

 

Entrevista com Gaby Amarantos

Foto: Aldridge Neto / Reprodução / Facebook

Guia da TV: Como você está lidando com o sucesso?
Gaby: “Na verdade, é um sucesso que vem de uma batalha de mais de 18 anos de trabalho. Só agora tenho este reconhecimento. O fato de eu ser da periferia e de vir do povão me dá certa tranquilidade para enfrentar tudo isso com maturidade e pé no chão. E muito trabalho! Sei que está só começando, mas estou fazendo valer a pena. Quero apresentar produtos de qualidade e mostrar que a música paraense veio para ficar.”

 

Guia da TV: Como você escolhe os figurinos para os shows?
Gaby: “Meu estilista é o Guilherme Rodrigues. Mas eu costumo usar peças de vários estilistas. “

 

Guia da TV: E sua maquiagem, como você faz?
Gaby: “O Guilherme Rodrigues também é meu maquiador e cabeleireiro. Ele faz tudo! É mais tranquilo porque tenho alguém sempre pensando no que fazer em mim. Mas já fiz muito a vida inteira. É melhor quando temos um profissional.”

 

Guia da TV: Quando você não está trabalhando, o que gosta de fazer?
Gaby: “Gosto de ficar com meu filho que tem três anos. Todo o tempo que tenho é para ficar com ele e com a minha família que eu amo.”

 

Guia da TV: E como cuida do corpo?
Gaby: “Não sou muito de fazer dieta, mas eu gosto de malhar e eu me aceito do jeito que eu sou. Me acho linda e gostosa do jeito que eu sou! Eu valorizo a mulher que se aceita do jeito que é. Esse negócio de ficar sofrendo para vencer a balança não dá para mim. Eu amo muito meu corpo.”

 

Guia da TV: Quais tarefas domésticas você sabe fazer bem?
Gaby: “Eu não cheguei a ser diarista, mas fiz limpeza na casa de famílias e cuidava dos meus irmãos. Então, fazia de tudo. Cuidava, lavava, passava, limpava. Cuidava dos meus irmãos quando eu tinha nove anos de idade. Comecei a trabalhar em casa bem cedo.”

 

Guia da TV: O que você usa nos shows são peças que podemos ver você usando no seu dia a dia?
Gaby: “Uma parte, talvez. Por exemplo, se eu estiver com um vestidinho mais básico, vou usar uma bota, alguma coisa que acenda. Meu figurino sempre foi extravagante e isso desde os três anos de idade. Eu usava salto alto quando era menina. Minha mãe costurava, ela fazia os modelos e eu era a cobaia!”

 

 

Guia da TV: E na academia, o que você faz?
Gaby: “Eu malho porque danço e me movimento muito nos shows. Então, preciso ter condicionamento. Eu faço caminhadas, exercícios aeróbicos e musculação. Mas não faço todo dia, eu faço pelo menos três vezes na semana. O meu show já é uma ginástica. Mas faço essas coisas porque eu gosto e o meu corpo pede, não por uma necessidade estética de uma mídia que impõe que a mulher tem de ser magra. Eu me gosto do jeito que eu sou. As pessoas têm de se aceitar. E fico feliz quando vejo mulheres brasileiras que se espelham em mim por eu ser fora dos padrões das passarelas. Rola meio que essa confusão. A mulher brasileira é carnuda, bunduda, peituda e eu adoro ser assim.”

 

Guia da TV: Que outras vaidades você tem?
Gaby: “Eu praticamente moro no salão porque cuido muito do cabelo. Faço muita hidratação toda semana. Gosto também de fazer massagem corporal, drenagem linfática e outros  tratamentos estéticos. Sou muito vaidosa! Eu tento fazer drenagem três vezes na semana. Gosto de me sentir bem e bonita. Só não tenho uma preocupação em ser magra. Respeito meu biotipo. Eu sou assim, as mulheres da minha família são grandes, são robustas. Eu me cuido muito, mas sem exageros.”

Mais lidas