Entrevista com Bia Nunes

Com Aquele Beijo entrando na reta final, Bia Nunes faz um balanço da divertida Damiana, sua personagem na novela das sete. Apesar de ter um caráter duvidoso, a Damiana caiu nas graças do público e Bia curte o carinho dos fãs nas ruas. Nesta entrevista, a atriz ainda comenta sobre um possível final feliz entre a moça e o falso irmão Felizardo, personagem de Diogo Vilela e elogia o autor Miguel Falabella. Confira o bate-papo com a Guia da TV:

 

Entrevista com Bia Nunes

Foto: Estevam Avellar / Rede Globo

Guia da TV: Com Aquele Beijo já na reta final, qual o balanço que você faz da divertida personagem Damiana?
Bia: “Aquele Beijo foi a novela que eu tive mais prazer de fazer. A personagem Damiana é o máximo! Ela ocupa o lugar da irmã de Felizardo, personagem de Diogo Vilela, por questão de sobrevivência. A verdadeira Damiana, ainda doente, agradece a ela por tudo e pede para que procure Felizardo. Mas quando a minha personagem chega ao Rio de Janeiro, aos poucos, ela vai se desvirtuando e se encanta com a vida das mulheres daqui.”

Guia da TV: Qual o desfecho que você espera para Damiana?
Bia: “Ainda não sei o que o Miguel Falabella está reservando. E a Damiana é uma surpresa a cada dia que gravo (risos). Ela é apaixonada pelo Felizardo e jamais pensou que isso pudesse acontecer. As pessoas na rua vêm e falam comigo que estão torcendo por um final feliz entre os dois. Se isso acontecer, vai ser um barato.”

Guia da TV: Como é a recepção do público?
Bia: “A abordagem é sempre deliciosa e eles realmente torcem por um final feliz entre Damiana e Felizardo. E Aquele Beijo é uma das novelas em que realmente a minha personagem fez sucesso. Vejo isso pela abordagem no dia a dia. Sucesso como esse, eu tive quando fiz a Marta, de História de Amor, com a questão do câncer de mama; e com a Elisa, a filha de Nono Corrêa, em Amor com Amor se Paga. E com a Damiana não tem sido diferente. Desde o começo da novela,  as pessoas sempre prestavam a atenção nela e perguntavam o que poderia acontecer com essa troca de identidade, perguntavam se ela seria má ou não. Eu sempre comentei com o Miguel que, apesar de todas as armações da Damiana, as pessoas nunca sentiram raiva dela. E o Miguel não acreditava nisso. E foi aí que eu vi como a personagem tem feito sucesso e caiu no gosto do público, assim como aconteceu naqueles outros trabalhos que eu citei.”

Guia da TV: Você é uma atriz que participou de todas as novelas de Miguel Falabella. Como é formar, mais uma vez, uma parceria com o autor?
Bia: “Eu amo o Miguel! Fico muito feliz de ter feito todas as novelas dele: Salsa e Merengue, A Lua Me Disse, Negócio da China e agora Aquele Beijo. E acho que Aquele Beijo é a novela com o  texto mais maduro do Miguel Falabella como autor. Ela tem todos os ingredientes de um bom folhetim e é com a cara dele, sempre com um tom crítico e um humor ácido.

Guia da TV: Desde o começo de sua carreira, em Ciranda Cirandinha, até agora, em Aquele Beijo, de que forma você analisaria essa sua trajetória dentro da dramaturgia?
Bia: “Acho que sempre fui muito feliz em tudo o que fiz. Tive a oportunidade de trabalhar com grandes atores e diretores. Trabalhei também com grandes autores como Manoel Carlos, Ivani Ribeiro e Ricardo Linhares. Mas tive uma frustração de nunca ter feito uma novela de Janete Clair. Ela chegou a me convidar para uma de suas novelas, mas na época eu estava envolvida com uma peça de teatro e não pude fazer parte do elenco. Fiquei triste de não ter feito uma novela dela. Fora isso, eu não tenho do que reclamar.  Sempre tentei dar o máximo de mim em cada personagem que fiz. O saldo, com certeza, é positivo.”

Guia da TV: Assim que terminar as gravações de Aquele Beijo, o que você pretende fazer?
Bia: “Quero viajar para Portugal e descansar. Tenho muitos amigos lá.  Sempre sou muito bem recebida por todos os meus fãs e amigos portugueses. Tenho convites para teatro, mas ainda não decidi nada. Uma das propostas é dar vida a Consuelo Leandro nos palcos. Acho que seria um trabalho lindo. Mas ainda não decidi. Estou esperando para deixar para resolver tudo mais  para frente.”

Mais lidas