Doenças mentais: veja os principais sintomas e formas de tratamento das mais comuns

A Associação Brasileira de Psiquiatria revela: cerca de 30% dos brasileiros irão desenvolver algum transtorno mental ao longo de sua vida. O dado mostra que, apesar do preconceito que acompanha o tema, os problemas neurológicos e comportamentais não estão restritos aos hospitais, mas aparecem nas melhores famílias. Conheça os mais comuns.

Alcoolismo

Caracterizado, principalmente, pelos sintomas de abstinência quando o indivíduo é privado da bebida. Entre eles estão alucinações, confusão e agitação. O problema ocorre com frequência na terceira idade.

Tratamento: como o alcoolismo desencadeia uma série de distúrbios orgânicos (dos sistemas gastrointestinal, nervoso e cardiocirculatório), estes problemas precisam ser tratados isoladamente.

Depressão

Os 3 sintomas básicos da depressão, segundo o psiquiatra Geraldo Ballone, são a inibição psíquica (apatia, pensamento lento e desmotivação), estreitamento do campo vivencial e sofrimento moral. “Tais sentimentos aparecem em grau variado: desde uma sutil sensação de inferioridade até profundos sentimentos depreciativos”, comenta.

Tratamento: não se restringe somente aos medicamentos, sendo indicado também acompanhamento psicológico.

Transtornos de ansiedade

Os sintomas são, principalmente, físicos: palpitações, irritabilidade, falta de ar, suor, mãos frias e úmidas, boca seca, náuseas e diarreia. O transtorno do pânico é o principal tipo e se manifesta como uma crise de ansiedade, com medo agudo e intenso, desconforto extremo, sensação de asfixia, tremores e medo da morte iminente.

Tratamento: além dos medicamentos para aliviar os sintomas agudos do pânico, o acompanhamento psiquiátrico tem apresentado bons resultados.

Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC)

Manifesta-se através de impulsos obsessivos e compulsões decorrentes deles, que causam intenso sofrimento, consomem muito tempo e interferem na rotina e nas atividades diárias do paciente. “As compulsões são comportamentos repetitivos e intencionais (apesar de quase involuntários) desempenhados em resposta a uma ideia obsessiva e com a finalidade de prevenir o desconforto de um suposto acontecimento terrível”, diz o médico. Os rituais mais comuns envolvem atitudes de higiene (lavar as mãos, limpar as coisas), de contar, conferir e arrumar.

Tratamento: algumas drogas que atuam sobre o sistema nervoso são indicadas para reduzir os sintomas. No entanto, Ballone ressalta que também visitas ao psicólogo complementam o tratamento.

Transtorno bipolar

Caracteriza-se por dois ou mais episódios de alterações de humor onde, em algumas ocasiões, há uma elevação do ânimo e um aumento da energia e, em outras, um rebaixamento patológico do humor e uma redução da disposição e da atividade (depressão). “É uma doença recorrente e de curso irregular. Assim, pode ser difícil determinar exatamente se o paciente melhora com o tratamento ou devido à manifestação do curso naturalmente oscilante da doença”, comenta o médico.

Tratamento: geralmente, é preciso controlar os episódios de mania e de depressão e, quando isso for obtido, passa-se à fase de manutenção, com a estabilização do humor do paciente.

Doença de Alzheimer

Ocorre principalmente em idosos e é marcada pela perda da memória, associada à deterioração das funções intelectuais, emocionais e cognitivas. Tem caráter progressivo e começa discretamente, com leves esquecimentos e confusão com datas, evoluindo para dificuldade de realizar tarefas domésticas, falar e manter o raciocínio lógico.

Tratamento: não existe cura, mas alguns medicamentos podem frear os sintomas em fase inicial. A estimulação do doente, com atividades físicas e mentais, deve ser constante e, por isso, a participação da família é de extrema importância.

Textos de Adriana Serrano
Consultoria: Geraldo José Ballone, psiquiatra, coordenador do site Psiq Web

Mais lidas