Como saber se uma boate é segura

O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, não assustou somente os jovens do Rio Grande do Sul. Os baladeiros de plantão de todo país também ligaram seus alertas para a questão da segurança nas casas noturnas. Por isso, o Papo Feminino conversou com o especialista em treinamentos de segurança Fábio Godoy, que destacou pontos importantes para se prestar atenção em um ambiente fechado. Confira:

– Chegando na festa, é bom ficar de olho onde estão localizadas as saídas do lugar. Em geral, os estabelecimentos devem sinalizar as rotas de fuga com adesivos de parede ou placas de indicação. Lembrando que elas devem estar sempre iluminadas.

 

Como saber se a boate é segura

Foto: Arquivo

– Fique ligado no posicionamento dos extintores. “Os extintores portáteis devem ser distribuídos de tal forma que o operador não percorra distância maior que a regra estabelecida, entre 15 e 25 metros”, explica Fábio.

– Outro ponto é o compartilhamento do alvará de funcionamento. A maior parte dos estabelecimentos deixa o alvará pendurado em uma parede, próximo ao caixa ou à entrada. Verifique se as autorizações da prefeitura e do Corpo de Bombeiros estão em vigência, dentro dos prazos definidos.

– Locais que recebem muitas pessoas devem oferecer uma equipe de brigadistas para orientar os frequentadores em uma situação de emergência. Quando chegar à boate ou casa de show, pergunte a algum funcionário sobre esse auxílio.

 Um ambiente seguro conta com:

– Duas saídas de emergência em paredes distintas com portas corta-fogo

– Extintores distribuídos de forma adequada

– Sinalização nas paredes, indicando a rota de fuga

– Alarmes de incêndio nas paredes

– Revestimento com material não inflamável

– Splinkers (pequenos chuveiros) distribuídos no teto do local

Fábio ainda dá dicas de como reagir em caso de incêndio. “O que se deve fazer é sair o mais rápido possível do ambiente e não retornar. Caso tenha formação em brigada de incêndio, auxilie no combate às chamas e na evacuação do local, preservando sua integridade”, concluí o especialista.

Mais lidas