Como prevenir e tratar o cálculo renal

Se você já sentiu uma dor terrível na lombar e mal conseguia se mexer, você com certeza já teve o cálculo renal – também conhecido como pedra no rim. É a terceira doença urológica mais comum e cerca de 12% da população mundial já sofreu com a formação de cálculo na via urinária. A nefrologista Maria Alice Barcelos, do Hospital 9 de Julho, explica como prevenir o cálculo e ensina como tratar a doença:

Como diagnosticar

Segundo a especialista, a pedra no rim é formada na via urinária e o paciente sofre com muitas cólicas e dores fortes: “Geralmente a dor é de um lado só – esquerdo ou direito- e raramente dói dos dois lados. A dor é na lombar, de grande intensidade e pode causar náuseas, sudorese e febre, se houver infecção urinária junto”.

Maria Alice ainda explica que as pessoas mais propícias a sofrerem com a cólica renal são os homens: “Acontece mais em homens, isto é, a cada três pessoas que sofrem com cálculo renal, duas são homens. Também é mais comum na faixa de 30 a 50 anos”. Outro fator que influencia bastante são as pessoas que fazem parte de uma “família de calculosos”, isto é, os parentes próximos já tiveram cálculo renal.

 

Mulher com dor segurando a barriga

Foto: Shutterstock Images

Fatores que causam o cálculo

Existem alguns motivos que influenciam na incidência do cálculo renal. Por exemplo:

Alterações anatômicas: “São pessoas que tem tendência ou histórico familiar”, conta a nefrologista.

Distúrbio metabólico: “Nesse caso, são pessoas que excretam mais cálcio do que outras”.

Clima quente: “No verão, os casos de pedra no rim aumentam em até 30%. As pessoas transpiram mais, ou seja, perdem mais líquido, concentrando substâncias como o cálcio na urina”.

Como tratar

Segundo a médica, depois de diagnosticar o paciente, é preciso fazer algumas verificações: “É necessário avaliar se o cálculo pode ser eliminado espontaneamente. Muitas vezes o paciente precisa ser internado para verificação e acompanhamento médico”.

Ela ainda explica que é o paciente precisa fazer uma bateria de exames para tratar corretamente o problema:  “A verificação é feita por meio de ultrassom, tomografia e análise do perfil metabólico. A análise é feita para detectar substâncias como cálcio e ácido úrico. A falta de citrato no corpo também pode causar o cálculo. Também é importante conferir se o paciente já teve infecção anteriormente ou algum histórico de cirurgia”.

Prevenindo a cólica renal

Para evitar transtornos e ter os rins mais saudáveis, a médica aconselha o consumo de 2 litros de água por dia: “É também recomendado diminuir o consumo de proteínas  – carnes vermelhas, por exemplo –  e ingerir muitas frutas cítricas. São hábitos fáceis de serem adotados que podem ser de grande ajuda”.

 

Consultoria: Maria Alice Barcelos, nefrologista do Hospital 9 de Julho

 

Mais lidas