Como impor limites aos animais

Como impor limites aos animais

Foto: Thinkstock/Getty Images

O animal de estimação hoje é considerado um grande amigo e até membro da família. Muitas vezes, os donos tratam os pets com tanto carinho e dedicação que os bichinhos ficam mimados e extrapolam os limites da boa convivência. É preciso, antes de tudo, ensinar o animal a ter boas maneiras e a se comportar corretamente, principalmente na presença de visitas. Dra. Isabella Vincoletto, veterinária do laboratório Vetnil, dá algumas dicas para quem gostaria de reeducar o pet:

Quando o pet assume o controle

Quando mimados demais, os pets podem achar que controlam as ações do dono. “Em algumas situações, os cães passam a dominar os seus donos de uma tal maneira, que o simples fato de o proprietário sair de casa para se divertir pode causar transtorno para toda vizinhança”, afirma a veterinária. O dono precisa entender que os cães são acostumados a viver em bando e veem os donos como membros de um grupo. “Os cães sentem necessidade de um líder. Portanto, uma das melhores formas de mostrar para o animal qual é o seu ‘devido lugar’, é tentando manter uma tranquilidade e ao mesmo tempo autoridade, sem demonstrar sinais de medo ou uma voz sem comando”, complementa a especialista.

Como ensinar boas maneiras

A médica afirma que os ensinamentos devem ser passados aos pets desde cedo: “Qualquer que seja o ensinamento, ele pode ser realizado através de recompensa com petiscos a cada ato positivo do animal. O ensinamento aprendido deve fazer parte do dia a dia do cão. Por exemplo, se o proprietário chegar em casa e encontrar o animal com muita excitação, a atitude a ser tomada é esperar o animal ficar calmo para receber carinho ou elogios. Essa atitude ‘quebra’ o ciclo de dominância do cão sob o proprietário”. Lembrando que tentar adestrar o animal com atos violentos só vai deixá-lo agressivo e com medo. “Quando homem e animal passam a falar a mesma língua, todos os comandos ou ações vindas de ambas as partes passam a se tornar prazerosas, aumentando assim o vínculo de amizade”, afirma Isabella.

Evitando exageros

Atitudes como dividir o prato de comida com o pet, dormir juntos ou deixar que ele suba no sofá e tome o controle podem trazer transtornos futuros para o dono. “O que não deve acontecer é a situação ‘hoje você pode subir ou comer no mesmo prato, mas amanhã não’ e assim por diante. Isso faz com que o animal se acomode com a situação, pois o dono passará a não ser mais o líder e os seus comandos serão ignorados”, explica a veterinária. Ela diz que o mesmo vale para as refeições: “Nas matilhas, o líder tem acesso à comida primeiro, ou seja, o animal tem que entender que ele só terá acesso à comida ou ração na hora que o dono quiser”. Também é de extrema importância que o bichinho tenha o seu próprio local na casa ou apartamento, para não subir nos sofás e incomodar as visitas.

Dicas

A veterinária dá algumas orientações para quem tem dúvidas em como adestrar o pet:

– Mostrar que você é o líder, não o animal;

– Não ceda a qualquer “olhinho” de piedade ou “manha” que o animal realizar;

– Procure sempre elogiá-lo nos momentos certos, como por exemplo, ao executar um comando de “senta” ou “deita”;

– Mantenha sempre um único tom de voz ao executar um comando ou “correção” de uma ação negativa;

– Não utilize a palavra “não” toda hora, pois o pet pode se acostumar com a bronca.

 

Consultoria: Dra. Isabella Vincoletto, veterinária do laboratório Vetnil

 

Mais lidas