Bate-papo com Julia Lemmertz

Entrevista com Julia Lemmertz

Foto: Roberto Filho e Philippe Lima / AgNews

 

Julia Lemmertz estreou como atriz ainda criança e hoje mantém uma carreira sólida na tevê. O sucesso é garantido em todos os trabalhos que realiza!  No ar em Fina Estampa, a atriz dá vida a uma personagem forte e cheia de atitude. A Esther caiu na graça do público e é um exemplo para as mulheres no país inteiro. Nesta entrevista, a atriz contou um pouco sobre o sucesso na novela das oito e como é trabalhar ao lado de Wolf Maia e Aguinaldo Silva. Confira:

 

Guia da TV: Como é fazer uma personagem com uma carga dramática tão forte?
Julia: “Paulo não pode ter filho e como Esther tem mais de 40, ela sugere deles fazerem inseminação, mas ele não aceita. Acho que o melhor é ter filhos depois dos 40, porque acredito que as pessoas depois dos 40 têm mais cabeça para ter filho.”

 

Guia da TV: Como é pra você trabalhar numa novela de Aguinaldo Silva?
Julia: “Adoro o Aguinaldo Silva. Fiz com ele Porto dos Milagres, em 2001. Imagina que eu ainda não tinha trabalhado com o Wolf Maya?! Ele é um diretor fantástico, que agora tenho o grande prazer de trabalhar junto. Só tem gente boa nesse projeto!”

 

Guia da TV: Drama é o que não vai faltar para sua personagem…
Julia: “É um assunto tão complexo, tão cheio de drama. Muitos casais passam tranquilos por uma situação dessas e até se fortalecem juntos. Já outros, se afundam numa crise difícil de salvar. Não posso adiantar muito sobre a trama, mas sei que vai ser dura a história. Estou profundamente envolvida com minha personagem. Não é sempre que pegamos um papel com essa carga dramática genial. Trabalhar diretamente com o Dan Stulbach e a Renata Sorrah é um privilégio sem tamanho. São super craques! Aliás, essa novela está repleta de atores maravilhosos que eu admiro muito. Só tenho a comemorar muito!”

 

Guia da TV: Em São Paulo você estava com a peça Deus da Carnificina. A temporada já foi encerrada?
Julia: “Estávamos em São Paulo desde abril e encerramos a temporada aqui dia 28 de agosto, aí fizemos um giro pelos teatros da prefeitura de São Paulo, os Céus, até outubro, depois viajamos algumas capitais até a primeira semana de dezembro (Vitória, BH, Recife, Salvador) e descansamos até a reestreia no Rio no Teatro do Leblon. É uma peça que só me traz alegria. É um cenário e quatro atores dialogando… O público se surpreende e se diverte também. A história gira em torno de dois casais que se reúnem para discutir as medidas que vão ser tomadas a respeito de uma briga entre seus filhos. Os personagens vão mergulhando em reflexões internas sobre suas vidas fazendo com que o propósito inicial da reunião vá ficando de lado.”

 

Guia da TV: Aos cinco anos de idade você já contracenava com a sua mãe, no filme As Amorosas. Ser atriz já estava no seu DNA?
Julia: “Na verdade eu tinha quatro anos, mas foi um acaso, precisava de uma criança pra fazer uma cena, eu estava no set acompanhando a minha mãe, e aproveitaram, não foi um trabalho profissional.”

 

Guia da TV: No cinema você reestreou no filme Amor. Como é sua personagem?
Julia: “O filme traz depoimentos de pessoas que mantiveram suas identidades preservadas, os depoimentos foram interpretados por atores. O depoimento que eu fiz foi de uma mulher que sofreu violência psicológica e física numa relação amorosa de anos, que teve a sua auto estima destruída. Ela foi ao fundo do poço e voltou. É triste, mas muito verdadeiro e importante de ser contado. Não existe só o vilão e a vítima, existe uma cumplicidade. O filme é muito intenso. É uma experiência desconcertante, você se despe para vestir outra pele que não é sua, bem cruamente, sem construir muito, são histórias já construídas e vividas. É um grande filme!”

Mais lidas