A importância do café da manhã

A importância do café da manhã

Foto: Thinkstock/Getty Images

O café da manhã é uma refeição que não pode ser deixada de lado. A nutricionista Roseli Rossi, da Clínica Equilíbrio Nutricional, de São Paulo, afirma que a primeira refeição é fundamental para garantir o melhor funcionamento do organismo, pois são muitas horas de jejum depois do sono – período considerado “metabolismo de repouso”, quando o corpo usa energias para recuperação e regeneração. “O normal é acordarmos com o nível de glicose baixo e, a partir do início das nossas atividades, precisamos deste nutriente, que é a nossa principal fonte energética. Estudos comprovam que um café da manhã adequado ajuda a controlar a fome durante o dia”, afirma.

Em boa hora

Entre 4 e 6 horas da manhã o organismo melhor absorve os nutrientes dos alimentos. Mas, muitas vezes, bate aquela preguiça de correr até a padaria para pegar o pãozinho quentinho, que pode nem ser indicado para as pessoas que estão em uma dieta. Quer uma alternativa? Os cereais matinais! A granola é uma opção versátil, que permite inúmeras combinações, como nas receitas que você confere nestas páginas. E você nem vai perder muito tempo para prepará-las!

Alternativa saudável e prática

Os cereais matinais contêm em média 50 a 60% de carboidratos, 10 a 20% de fibras solúveis e insolúveis, 15% de proteínas, traços de lipídios, vitaminas do complexo B, vitamina E, zinco, cálcio, ferro, magnésio, potássio, além de substâncias com funções antioxidantes, que retardam o envelhecimento celular. “Devido a esta composição nutricional, os cereais matinais são alimentos que melhoram a energia e o desempenho físico, reforçam o sistema imunológico, colaboram com a formação e regeneração de estruturas corpóreas (ossos e dentes), hemoglobina, auxilia no relaxamento muscular, inchaços, proporcionam saciedade, melhoram o trânsito intestinal, mantêm níveis glicêmicos e ajudam na diminuição do colesterol LDL”, enfatiza a nutricionista Roseli Rossi.

Para complementar a primeira refeição do dia, uma fruta (mamão, banana, melão…), um carboidrato (pão integral, cereais, torradas integrais), uma proteína (ovos, queijo branco, peito de peru, leites, iogurtes) e um alimento fonte de gorduras boas (linhaça, semente de chia, nozes, castanhas, azeite) também podem fazer parte do cardápio matinal. “As quantidades, ou seja, o quanto de cada um destes alimentos deve ser ingerido, varia de acordo com as necessidades individuais”, explica Roseli.

Integrais são melhores

Não são todos os cereais matinais que possuem fibras e nutrientes. Vale a pena conferir na embalagem quais contêm maior quantidade de fibras por porção, pois são também os melhores sob o ponto de vista nutricional. Caso contrário, o consumo será apenas de carboidratos, basicamente amido, além de açúcar refinado, que nada tem de saudável. “A aveia, granola, quinoa, All Bran®, amaranto e outras opções integrais são melhores, porque são mais ricas em fibras e nutrientes, preservados pelo não refinamento do grão. Já os industrializados, que não são integrais, possuem maior proporção de carboidratos e pouca quantidade de fibras e nutrientes, além de conter maiores índices glicêmicos”, finaliza a nutricionista Roseli Rossi.

Beba mais água

Vale lembrar que é fundamental aumentar a ingestão de líquidos como água, chás e sucos ao longo do dia para evitar flatulência pela ação de um aporte maior de fibras, que pode inclusive ocasionar constipação.

 

Consultoria: Roseli Rossi – Nutricionista Especialista em Nutrição Clínica Funcional (CRN 2084) – Clínica Equilíbrio Nutricional

 

 

Guia da cozinha

 

 

Para conferir mais dicas, adquira a revista Guia da Cozinha – já nas bancas!

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais lidas