Prós e contras de construir uma casa

Avalie

Construir uma casa pode ser muito vantajoso. Afinal, você consegue planejar a casa dos seus sonhos e fazer do jeitinho que sempre teve vontade. Porém, também existem algumas desvantagens, como mão de obra inexperiente ou até mesmo imprevistos que podem surgir durante o processo de construção. Para saber os prós e contras de construir a sua própria casa, entrevistamos o  professor da Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte, Ronilson Flávio de Souza e o coordenador do curso de Engenharia Civil da Unopar, Maycon André de Almeida. Confira:

Vantagens

O engenheiro civil Ronilson afirma que a grande vantagem em construir o próprio imóvel está na possibilidade de adequação da residência ao seu estilo e às suas necessidades. “Nem sempre uma pessoa consegue encontrar no mercado um imóvel pronto que atenda aos seus desejos. Quando ela deseja construir sua própria casa, pode solicitar ao arquiteto que altere o projeto  quantas vezes for necessário até que o modelo esteja de acordo com seu interesse”, explica.

Pedreiro construindo casa

Thinkstock/Getty Images

Outra vantagem é que os custos também são reduzidos em comparação a um imóvel que já estava pronto. “Construir uma casa do zero é muito vantajoso, pois pode-se planejar melhor os materiais a serem utilizados, a forma de construir, etc. Construindo uma casa estamos eliminando o lucro de corretagem e do empreendedor do processo”, afirma Maycon.

No entanto, Ronilson revela que se o proprietário levar em conta apenas o custo da obra, isto é, material, projeto, pedreiro e administração, construir realmente pode sair mais barato. Mas, se a compra do terreno estiver incluída nos gastos, o saldo já não é tão positivo.

“Dependendo da localização, o preço do imóvel pode ser muito alto. Já no caso de um apartamento ou casa geminada (duas ou mais casas ligadas umas às outras), o custo do imóvel é dividido em frações ideais e repartido entre os condôminos, o que barateia muito o custo final da residência”, pontua o especialista.

Desvantagens

Entre as desvantagens, os especialistas concordam que não é fácil encontrar mão de obra de qualidade, já que muitos profissionais não terminam o trabalho no tempo desejado ou acabam improvisando demais. Segundo Maycon, mão-de-obra não qualificada, material de segunda qualidade e projetos mal elaborados podem ocasionar retrabalhos e aumento de custo final do empreendimento.

Outro problema comum é que, muitas vezes, para baratear os custos, os proprietários acabam administrando a própria obra mesmo sem ter experiência. “Algumas pessoas não contratam sequer engenheiros ou arquitetos, e acabam construindo edificações que, no futuro, apresentam uma série de patologias, principalmente estruturais”, conta Ronilson. Infiltrações, rachaduras e até mesmo vazamentos são alguns exemplos.

O mais importante é ter em mente que o barato pode sair muito caro. Fique alerta para materiais de baixa qualidade. Na ânsia de economizar, muitos cometem o erro de optar pelo mais econômico, o que pode levar a resultados desastrosos. “Pisos, por exemplo, com dimensões diferentes, podem tornar aquela sala dos sonhos um pesadelo depois de pronta. Depois, a única alternativa é refazer, gerando mais custos e estresse. Outros problemas podem ocorrer com a vizinhança, como vibrações, ruídos e até riscos estruturais de edificações próximas em função de escavações na obra. Tudo isso pode trazer transtornos e ações judiciais”, complementa Ronilson.

Documentação necessária para construir o imóvel

Se você tem muita vontade de construir sua casa, não se esqueça de consultar um profissional para lhe ajudar a conseguir a documentação necessária. “A primeira pessoa que deve ser consultada é um arquiteto ou engenheiro civil. Esses profissionais fornecerão as informações de que a pessoa precisa para iniciar o projeto e planejamento da obra, não correndo o risco de realizar algum serviço e ter de refazer, por infringir alguma determinação do código de obras municipal”, aconselha Maycon.

Ronilson aponta que tipos de documentos você vai precisar para iniciar a construção:

– O primeiro passo é que o projeto arquitetônico seja aprovado pela prefeitura local;

– Em seguida, será necessário o alvará de construção e a ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) do responsável técnico pela obra: o engenheiro.

– Outro documento importante é a matrícula da obra junto ao INSS, chamado CEI – cadastro específico do INSS. Esse documento é obrigatório junto à receita previdenciária e fundamental para aquisição do habite-se no final da obra.

– Existem documentos especiais, como licenças ambientais, autorizações para demolições etc., que vão depender de cada caso específico. O ideal é se assessorar com um profissional da área.

Mão construindo casa

Foto: Thinkstock/Getty Images

Dicas para quem nunca construiu um imóvel

– Faça pesquisas e nunca compre por impulso. Dinheiro é fácil de gastar, porém difícil de ganhar;

– Faça um bom planejamento da obra antes do seu início;

– Contrate bons profissionais para orientação e execução do serviço. Muitas vezes, a mão de obra pode ser mais cara comparada a uma outra empresa, mas essa diferença pode ser compensada com o gasto final com o material;

-Pesquise as referências da construtora, como outros imóveis que já foram construídos por ela e seus clientes. Para isso, as redes sociais são grandes aliadas dos consumidores;

– Nunca compre sozinho! Leve sempre uma pessoa com você antes de fechar negócio. Procure levar aquele amigo ou amiga bem criteriosos, essas pessoas são mais detalhistas e ajudam a evitar que você entre em um negócio ruim;

– Não assine contratos até que sejam analisados por um advogado: o custo da consulta vai valer a pena no futuro.

 

Consultoria

Ronilson Flávio de Souza é professor da Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte, docente de Estruturas da Faculdade Pitágoras, engenheiro civil especialista em Estruturas pela UFMG e MBA em Construção Civil pela FGV.

Maycon André de Almeida é coordenador do curso de Engenharia Civil da Unopar. Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Londrina (2004) e mestrado em Engenharia de Edificações e Saneamento pela Universidade Estadual de Londrina (2008). É doutorando em Engenharia Geotécnica na Universidade de São Paulo (USP) e professor da Unopar. Experiência na execução de obras industriais, comerciais e residenciais de médio e grande porte, além de atuar como engenheiro geotécnico através da Solitec Fundações, da qual é sócio proprietário, desenvolvendo projetos de fundações e pesquisas na área de geotecnia.

Tags:

Mais lidas