Dicas para manusear o botijão de gás corretamente e evitar vazamentos

Avalie
Thinkstock/Getty Images

Thinkstock/Getty Images

Manusear o botijão de gás parece um trabalho muito simples e utilizá-lo todos os dias na cozinha é mais do que comum. No entanto, é importante tomar cuidado, já que um pequeno vazamento de gás pode trazer muitos problemas para o consumidor. Para te ajudar a instalar corretamente o botijão e evitar acidentes, conversamos com o gerente nacional de vendas industriais da Copagaz Vicente Longatti. Confira:

Maneiras mais adequadas de utilizar o botijão

Segundo Vicente, o primeiro cuidado do consumidor está no momento da compra. É indicado rejeitar o botijão caso o mesmo tenha pontos de ferrugem ou amassamentos. “O botijão deve conter o lacre inviolado e a etiqueta de identificação do produto que traz dicas de segurança e o telefone da empresa distribuidora”, aponta.

O botijão de gás nunca deve ser utilizado na posição horizontal, ou seja, deitado. “Conhecemos histórias de pessoas que alegam utilizar o vasilhame nesta posição com o objetivo de aproveitar o produto até o final, no entanto isso é um mito, além de muito perigoso”, conta o gerente da Copagaz.

O botijão foi construído e dimensionado para trabalhar e ser consumido em sua totalidade na posição vertical. “O gás em seu interior permanece liquefeito, daí o nome GLP (gás liquefeito de petróleo) e vai vaporizando (passando da fase líquida para a fase gasosa conforme seu uso). Ao deitar o botijão, o gás ainda em sua fase líquida pode sair pela mangueira, elevando a pressão da mesma, danificando o regulador de pressão e causando consequentemente um vazamento”, pontua.

Instalação do botijão

O profissional explica que a instalação do regulador de pressão ao botijão de gás deve ser realizada manualmente. “Nunca utilize ferramentas para isso. O sistema é projetado e desenvolvido para atingir uma perfeita vedação com um aperto (torque) manual”, diz.

Outra dica importante diz respeito ao teste de vazamento, que é simples e pode ser feito com água, esponja e sabão. “Ao conectar o botijão ao regulador de pressão, o consumidor deve passar espuma de sabão em abundância entre a conexão do regulador de pressão e o botijão. Se borbulhar é porque existe vazamento. Neste caso o regulador deve ser desconectado e o procedimento repetido. Caso o vazamento persista, a companhia distribuidora deve ser acionada para a troca do produto. Os contatos vêm na etiqueta de segurança”, acrescenta o especialista.

É importante o consumidor fazer este mesmo teste com espuma de sabão na conexão que liga a mangueira ao fogão, pois no dia-a-dia, o movimento de arraste do fogão para limpeza pode causar o afrouxamento da conexão, que, com o passar do tempo, poderá apresentar algum vazamento.

“Vale ainda orientar para que o registro abre e fecha do regulador de pressão sempre fique fechado quando o botijão não estiver em uso”, conta Vicente.

Lugar ideal para colocar o botijão

O botijão deve ser armazenado em uma área ventilada, preferencialmente em uma área externa. Nunca mantê-lo debaixo da pia ou em locais confinados. Nunca armazenar produtos inflamáveis ou de fácil combustão junto ao botijão de gás, tais como álcool, produtos de limpeza, panos e jornais.

“Outro cuidado fundamental é nunca passar a mangueira do botijão por trás do fogão. Se não tiver como, a mangueira de PVC precisa ser substituída por uma mangueira com revestimento metálico, apropriada para este fim”, revela Vicente.

Cheiro de gás: o que fazer?

Segundo o especialista, caso sinta o cheiro de gás, a pessoa deve imediatamente abrir portas e janelas para ventilar o ambiente e diminuir os riscos de acidentes. “Não acione interruptores de luz, ventiladores ou qualquer equipamento elétrico ou eletrônico que possa gerar fagulha, que em contato com o gás, pode provocar explosão. Caso seja possível, leve o botijão para uma área ventilada e acione a companhia distribuidora ou o Corpo de Bombeiros”, orienta.

Dicas importantes

– A venda de um recipiente com valor muito abaixo do mercado é outro alerta de que o botijão pode ser clandestino;
– Em caso de chama aberta (fogão ligado), desligar imediatamente;
– É importante verificar a presença do lacre, do rótulo de segurança e do nome da empresa em relevo no corpo do botijão;

O gerente ainda alerta que a mangueira e o regulador de pressão têm validade de cinco anos, enquanto que o botijão tem validade de dez anos.

“A cada década de uso, o botijão precisa passar por uma bateria de testes, em um processo chamado requalificação. São provas rigorosas que analisam se ele tem condição de ser aprovado e continuar no mercado para outros dez anos de uso ou se é reprovado, sucateado e precisa ser substituído por um novo. As pessoas precisam se atentar para os prazos de validade que ficam marcados no botijão e nos equipamentos. Se receber um vencido, pode recusar e pedir outro em condições adequadas”.

Consultoria

Vicente Longatti, gerente nacional de vendas industriais da Copagaz.

Mais lidas