Dicas para escolher o melhor tapete para sua casa

Avalie

Existem tantos tipos de tapetes que fica complicado saber qual combina mais com cada ambiente da casa. Para te ajudar a solucionar dúvidas sobre esse assunto, conversamos com a designer de interiores Ana Carla Teixeira e com o arquiteto Thiago Mondini. Confira!

A função do tapete nos ambientes

O arquiteto Thiago Mondini aponta que tapetes são, em primeiro lugar, elementos que demarcam espaços. “As decisões sobre uso, dimensões, formas, materiais e texturas resultam em diferentes sensações a respeito do tamanho aparente ou da função de um ambiente”, diz.

Ao unificar diferentes peças de mobiliário, um tapete pode definir áreas de estar ou de permanência. “Neste caso, além da própria dimensão do tapete, é necessário considerar o quanto as peças de mobiliário vão sobrepor sua borda ou mesmo se nenhum móvel ficará sobreposto. Essa escolha determina a impressão final a respeito da dimensão do ambiente”, revela o arquiteto.

Ele exemplifica revelando que tapetes médios ou grandes com móveis sobrepostos criam um plano de fundo mais amplo e, por isso, conferem a sensação de que o ambiente é maior. “Esse recurso funciona muito bem para tapetes lisos, com padrões neutros ou listrados. No caso de tapetes com padrões mais trabalhados é difícil estabelecer uma regra. Eventualmente, sobrepor peças de mobiliário sobre um tapete de padronagem carregada gera um efeito demasiadamente pesado, o que induz ao uso de tapetes ligeiramente menores, centralizados, sem móveis sobrepostos”, conta.

Os tapetes também podem ser concebidos como plano de fundo ou como ponto central de uma composição. “Para ambientes de caráter mais sério ou para aqueles que já estão saturados com elementos muito diversos, é interessante utilizar tapetes neutros. Em ambientes cuja paleta de cores é predominantemente neutra, um tapete com padronagem diferenciada e coloração mais viva pode acender o conjunto. E um tapete corretamente escolhido e bem posicionado pode chamar atenção para as peças de mobiliário que estão sobre ele”, aponta o arquiteto.

Tapetes antialérgicos

Muitas pessoas evitam o uso de tapetes pois estes aumentam os sintomas de alergia. No entanto, é possível escolher modelos que evitam esse tipo de problema. “O material mais indicado para alérgicos são os que possuem 100% Nylon em sua composição, pois não soltam fios ou pelos como os de composição natural, que é o caso do algodão, por exemplo. Não existem modelos que evitam acúmulo de poeira, é necessário utilizar aspirador de pó todos os dias para evitar acúmulos diários”, conta Ana Carla.

A frequência da limpeza dependerá da circulação do ambiente. “Caso seja intensa, será necessário uma lavagem a cada seis meses. Se for um espaço pouco utilizado, poderá ser feita anualmente”, diz a designer de interiores.

Ambientes pequenos

Em ambientes pequenos, alguns tipos de tapetes são mais indicados para trazer sensação de amplitude. “Aconselho tapetes sob medida, de densidade de fios mais baixos, de cores em tons mais claros, com desenhos ou estampas mais delicadas, sempre delimitando os espaços de acordo com a divisão dos ambientes para criar a sensação de um espaço mais amplo”, revela a designer.

Já no quarto, pode-se se especificar tapetes nas laterais da cama, na frente da cama ou no formato de um “U”, encobrindo a extensão por fora dos pés da cama e subindo por fora pelas laterais até as mesas de cabeceira.

“Na cozinha, os tapetes são indicados apenas se forem com finalidade decorativa ou por necessidade do cliente por questões de segurança, quando se tem um piso extremamente escorregadio. Mas normalmente não se utilizam tapetes nesta área. Sempre devem ser sintéticos com antiderrapante”, aconselha Ana Carla.

Combinando o tapete com o restante da decoração

Os tapetes devem combinar com os móveis ou cores das paredes? Segundo a designer de interiores, ele deve ser escolhido de acordo com móveis, tons dos revestimentos das paredes e dos elementos principais do ambiente. “O material, a cor e textura do piso serão fundamentais e decisivos para a definição do tapete, pois como exemplo, um modelo de cores escuras quando colocado sobre um piso escuro, poderá visualmente diminuir um ambiente ou até mesmo passar despercebido quando selecionamos uma cor clara onde já se tem tons claros no piso”, afirma.

É importante ressaltar que não existe uma regra rígida, tudo depende da proposta do projeto de ambientes. Ele pode ser tanto um complemento da decoração de um ambiente, como o elemento principal. “Quando o espaço já possui muitas informações de cores, podemos até trabalhar com desenhos, porém nos limitamos a tons mais neutros e vice e versa”, conta Ana Carla.

Thiago Mondini também aponta que o tapete pode adquirir uma função simbólica. “Essa função está associada às imagens que determinados tapetes trazem à nossa mente. O caso mais ilustrativo é o dos tapetes persas, que conferem um ar bastante nobre aos ambientes. Outro caso é o dos tapetes de fibra natural, geralmente mais despojados. Existem, porém, outras situações mais sutis relacionadas ao desenho, às cores, aos materiais e às texturas. É possível lançar mão de seu uso para neutralizar excessos nos ambientes. É o caso quando se procura utilizar um tapete de retalhos com móveis clássicos, um tapete persa numa composição com móveis de desenho simples ou moderno, um tapete de fibra natural rústica com móveis de metal e couro”, finaliza.

Consultoria
Ana Carla Teixeira – Designer de Interiores e Sócia da empresa Alfa Decor
Thiago Mondini – arquiteto http://www.thiagomondini.com.br/

 

Tags:

Mais lidas