Cozinhas coloridas

Avalie

Segundo a arquiteta Renata Basques, a tendência de tons coloridos surgiu com o desejo das pessoas em receberem mais amigos em casa. “Reunir os amigos em casa para comer e beber é uma ótima opção. Por isso o investimento em cozinhas personalizadas e com a cara do morador”, conta.

Cozinhas coloridas

Fotos Flávia Soares e Henrique Queiroga/Divulgação

De que cor?

A arquiteta Marina Dubal destaca as cores mais utilizadas: “nuances quentes, como laranja, vermelho e amarelo, são mais comuns. Mas nada impede que se use cinza, marrom, azul ou verde, mais frios. Depende da personalidade do cliente e do projeto”.

Para ela, as cores influenciam positivamente no espaço onde são preparadas as refeições. E como todos sabem, quem se alimenta bem, tem boa saúde. “As cores despertam sensações, e isso pode ser bem utilizado num projeto de construção ou reforma”, destaca. Ela ainda lembra que as cores claras facilitam a limpeza.

Cozinhas coloridas

Fotos Flávia Soares e Henrique Queiroga/Divulgação

Combine com classe

Marina destaca que a cozinha deve estar em harmonia com o restante da casa. “Esse ambiente faz parte de um conjunto, por isso, é muito importante que esteja integrado esteticamente aos outros espaços. Do contrário, corre-se o risco de ter vários ambientes interessantes, mas que não compõem um todo”, alerta.

Nas bancadas e revestimentos, ela indica nuances como bege, cinza e preto. Já Flávia Soares sugere: “acho que fica bonito utilizar nas peças fixas, como armários, bancadas e eletrodomésticos, as seguintes combinações: azul, cinza e preto; vermelho e branco; ou tons de bege com marrom e cinza”, ensina.

Cozinhas coloridas

Fotos Flávia Soares e Henrique Queiroga/Divulgação

O mesmo recurso foi adotado neste projeto de Flávia, onde o diferencial foi o azul.

Luzes e detalhes

O arquiteto Eduardo Wolf concorda que as cores são bem-vindas, especialmente se estimulam o apetite, como o amarelo, o laranja e outras cores vibrantes. Ele só alerta sobre os excessos.“É bom evitar um ambiente onde muita mistura prejudique a permanência. Deve-se abusar da iluminação de cor neutra; nem luz amarela demais, nem branca demais, uma vez que é um lugar de trabalho onde se passa longos períodos”, orienta.

Peças coloridas

Bom-senso e uma pitada de sensibilidade são importantes na hora de compor o ambiente com eletrodomésticos e utensílios coloridos. “Não há regras ou fórmula certa. O melhor é seguir o gosto pessoal e eleger uma ideia principal”, defende o arquiteto.

Cozinhas coloridas

Fotos Flávia Soares e Henrique Queiroga/Divulgação

Na cozinha aconchegante do arquiteto Eduardo Wolf, o azul e o amarelo “conversam” muito bem.

Use revestimentos que possam ser lavados e higienizados periodicamente, como vidros serigrafados e madeiras laqueadas.
Consultorias
Flávia Soares, arquiteta. Site www.arquitetaflaviasoares.com.br
Renata Basques, arquiteta. Site www.renatabasques.com.br
Marina Dubal, arquiteta. Site www.dad.arq.br
Eduardo Wolf, arquiteto. Site: www.eduardowolf.com.br

Texto: Marcella Moreira

Tags: ,

Mais lidas