Dicas para economizar na festa de casamento

Avalie
casamento

Foto: Thinkstock/Getty Images

Organizar festas é uma atividade trabalhosa. Se for de casamento, então, o trabalho ganha uma carga de emoção e pressão para que tudo seja perfeito. Afinal, a festa é pensada para ser única na vida do casal e daqueles que o acompanharam e, por isso, muita gente acaba gastando mais do que pode. Para evitar esse problemas, a Guia Astral conversou com especialistas em organização de casamentos que deram dicas para não gastar mais que o necessário na comemoração:

Cronograma

Antes de começar a procurar igreja, buffet e outros serviços, é preciso que haja a definição de algumas coisas como a data da festa, quantas pessoas serão convidadas e quanto o casal pretende gastar. Com isso, é possível começar a procurar a igreja com a data disponível e o buffet adequado para o número de convidados. Os serviços de fotografia e filmagem, música e decoração também estão entre as prioridades.

Tempo

Organização e planejamento são a chave para evitar imprevistos que, na grande maioria das vezes, custam mais. Por isso, é indicado que os preparativos comecem com, pelo menos, um ano de antecedência. Porém, a proprietária da Senhoritta Rosa e ex-blogueira do Casamenteiras lembra: “os fornecedores em geral, parcelam o total do pagamento até a data do evento, assim, quanto antes o contrato for firmado, o casal pode dividir em mais vezes”.

Como negociar?

Nesse tópico em especial, nossas consultoras são unânimes: o segredo é pesquisar! Comparar preços, ler bem os contratos, conhecer os locais. “Sempre pergunte se pagamento à vista tem desconto ou que outros benefícios estão incluídos no preço informado”, recomenda Tatiana Goldstein, CEO do CasarCasar.

O que não pode faltar?

As prioridades dependem especialmente de cada casal, mas “de modo geral duas coisas que garantem uma boa festa é música boa e comida farta”, afirma Raquel Godoy. Já Tatiana lembra da decoração: “itens decoração podem estar rachados, sujos ou até quebrados e ainda podem acabar desfiando ou sujando a roupa dos convidados”.

O que dá para fazer em casa?

“Tudo que pode ser feito com antecedência como o convite, menus das mesas, lembrancinhas, porta guardanapos, kit banheiro e outros mimos”, recomendam Raquel e Mariana. “Apenas não aconselhamos nada que deve ser feito uns dias antes, como doces, bem casados e decoração, porque pode ser muito estressante e acabar deixando os noivos cansados”, completam.
Já Godoy lembra ainda de um fator que costuma ser bem caro: o vestido. As noivas também podem pesquisar o seu modelo favorito de vestido e mandar fazer em uma costureira de confiança.

Como evitar o buffet “barato que sai caro”?

“Experimente ver fotos dos buffets realizados pela empresa, peça referências de clientes anteriores (e pergunte a eles como foi o casamento, se a comida saiu como eles tinham provado, se houve queixa dos convidados, entre outros detalhes) e tire a prova final: converse sobre o que tem em mente para o buffet e peça para fazer uma degustação desse prato”, recomenda Tatiana. Ler bem o contrato, tirar as dúvidas e checar se há reclamações do local na internet também podem ajudar.

O que são miniweddings?

O miniwedding, ou seja, minicasamento é uma tendência de festas mais intimistas com, no máximo, 100 convidados. Apesar desse tipo de festa diminuir os gastos por conta da quantidade de pessoas, eles não significam necessariamente economia. “Normalmente os noivos aproveitam para incrementar o menu e contratar mais coisas devido ao pequeno número de convidados. Além disso, gastos como vestido de noiva, fotógrafo entre outros não diminuem por causa da quantidade de convidados”, lembra Godoy.

Consultoria: Raquel da Cunha Zanon e Mariana Zanon Nascimento, proprietárias da Ana Casamenteira Assessoria; Tatiana Goldstein, CEO do CasarCasar e Raquel Godoy, proprietária da loja Senhoritta Rosa.

Mais lidas